domingo, 22 de fevereiro de 2015


O QUE EU TROUXE DE BOM?

                Levei um susto. De repente, me vi assistida de maneira caridosa, mas, como se estivessem me escondendo a verdade. Medicada, dormi, não sei precisar quantas horas, ou dias e acordei receosa, pois, não via os familiares e o hospital era muito diferente dos hospitais que eu conheço.
                A ternura daqueles que me orientavam na necessidade de acalmar-me, me impressionava e a maneira como desconversavam diante da minha curiosidade, começou a me preocupar. De repente, perguntei: “Eu morri?” Para minha tranqüilidade responderam que se liberta-se do corpo físico para mim seria “morrer”, então eu havia morrido. Fiquei emocionada e chorei muito, pensei em todos que ficaram e procurei ficar calma diante do inevitável. Uma dor forte que vou chamar de saudade me abateu e eu fiquei ali, chocada, pensando em como podia ter acontecido.
                 Depois de alguns esclarecimentos, fui medicada e dormi para acordar semanas depois, mais serena e mais convicta da minha realidade. Aos poucos fui me adaptando e auxiliada por muitos companheiros iguais a mim, melhores e piores, fomos nos unindo e descobrindo no novo mundo em que nos encontrávamos aquilo que poderia nos manter equilibrados.
                 Hoje, tudo para mim é natural. Também aqui me propus uma vida simples, onde aprendo e trabalho e descubro coisas novas e aproveito tudo o que é oferecido, trazendo sempre a pretensão de ser útil. Jamais pensei que voltaria tão cedo ao plano espiritual. Importante passar para vocês, que não se assustem com a hora que será vivida por todos nós. A mensagem do Cristo nos fala em tudo isto que encontramos, mas nós não empregamos tempo suficiente para aprender isso. Tivesse eu me cuidado mais, talvez as situações teriam sido diferente.
                 Gostaria que vocês que me buscam para noticias gravem esta: “Aprimorar-se, desenvolvendo os dons do espírito que é imortal, deveria ser a nossa grande preocupação nesse período em que aí nos encontramos”. Valorizamos muito aquilo que não levamos. Quando tomei consciência de que estava de volta, pensei muito nisso: o que eu trouxe de bom?
                 A vida, em qualquer lugar que estejamos é uma grande responsabilidade. Devemos levá-la mais a serio.
                 Agradeço a evocação de vocês, deixo-lhes o meu carinho e a certeza de que continuo vivendo, só que agora, mais consciente e mais confiante daquilo que realmente preciso buscar.   
                 Agradeço também as orações que me direcionam. È muito bom ser lembrada.
                 Meu abraço em todos vocês.
                 Joana Guimarães.    
                  (Desencarnada aos 44 anos devido a um infarto).
                

                  Psicografia recebida em reunião de psicografia em 2015.
                  Médium L. Ferreira.

3 comentários:

  1. Marco Antonio boa tarde!! Gostaria de ter notícias de minha avó materna, Laurentina Macedo, que desencarnou dia 08/02/2011. Até hoje é difícil para toda família a sua ausência. um abraco e que Deus continue te iluminando sempre. Marcos Vinicius Pacheco Aguiar - vinicartorio@hotmail.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Com certeza coloacarei o nome da sua avó Laurentina na irradiação de psicografia. Uma abrço.

      Excluir