sexta-feira, 11 de janeiro de 2019



ABRIGO ESPIRITUAL


          Quando vim pra cá, vim tropeçando e caindo sem saber o que tinha me acontecido. Vi-me sem rumo e sem norte. Só sabia que alguma coisa me tinha acontecido.
          Deitei para dormir e acordei desse jeito. Era um morador de rua, e eu acho que tinha bebido em demasia.
          Parece que minha cabeça não estava funcionando bem. Eu pensava muitas coisas ao mesmo tempo, sem nexo e nem me lembro quem era.
          Fui andando, tropeçando por charcos, por despenhadeiros e num lugar muito emaranhado e sem luz, na penumbra.
          De vez em quando sentia que haviam mais pessoas comigo. Mas eu não as via. Fui andando, andando, até que consegui avistar uma luminosidade. Era uma casa grande de senzala, e muitas pessoas chegavam e saiam. Lá dentro poderia descansar, pois estava muito cansado, com sede e com fome.
          Fui até lá e qual não foi minha surpresa ao ver que aquelas pessoas me reconheciam. Entrei, fui levado a um quarto onde pude me banhar e tomar uma refeição.
          Dormi, tranquilamente, não sei por quanto tempo. E hoje eu ainda estou lá. Tenho uma obrigação a fazer que é receber outros transeuntes como eu, moradores de rua.
          Eles chegam, são auxiliados e depois são levados para outros lugares, onde são tratados.
          Tenho muito orgulho de estar aqui. Já não sinto vontade de comer, nem de beber (pinga), pois eu estou sendo tratado ainda dessas imperfeições.
          Hoje sei o porquê estou aqui.
          Morri de cirrose hepática, por causa da bebida e das drogas.
          Fui para as ruas por minha própria culpa, e hoje sei como é bom ter um lugar onde possamos nos abrigar.
          Peço a Deus por todos que estão ao reles do tempo, estirados numa calçada ou entregue as drogas.     
            Muito Obrigado.
            José.
  
                                                          
          Psicografia recebida em 2018.                                     
          Médium: Catarina.

sexta-feira, 4 de janeiro de 2019



UM EMBRIAGADO AO VOLANTE


A estrada que me leva é muito tortuosa. E eu tenho pressa de chegar.
Vem uma curva, mais outra e mais outra e eu não vejo o final.
Caminho, caminho e caminho e nada que limite o final. É infinito esse caminho tortuoso.
Não sofro, mas me angustio. Quero falar, mas não tenho voz, mas também para que falar se não tenho quem me ouça? Que me vale gritar se não tenho nada a minha frente que possa por fim ao meu tormento.
Ah! Sim, ainda me lembro. Eu estava indo no meu carro, mas houve algo de errado e acho que cochilei. Ouvi um estrondo e nada mais vi.
Acho que não vi nada, mas sinto que algo me aconteceu de extraordinário. Acho que morri! Mas será? Nada senti e nada sinto; só sei que algo me impulsiona a andar e a andar. Mas para onde e por quê?
Estou me sentido perdido. Essa estrada não tem nenhum veículo e nenhum transeunte. Só eu. Por quê?
Se vocês puderem me explicar esse fenômeno:
Estava andando e sem mais nem menos cheguei aqui.
Não lhes conheço e creio que também vocês não me conhecem.
Deem-me uma explicação tangível. Eu morri? E se morri cadê o céu? Cadê o purgatório? O inferno não quero saber, pois acho que não é para lá que vou.
Fui um homem trabalhador e honesto. Gostava de umas biritas e acho que foi por isso que devo ter esbarrado em outro carro ou em algum obstáculo. Eu estava meio chapado... Ia pra casa dormir e no meio do caminho acho que dormi e ouvi o estrondo.
Sim, depois desse raciocínio estou quase certo de que morri, mas se morte é isso, não é tão ruim.  
Mas não gosto da solidão e esse caminho é muito solitário.
Agradeço a vocês e peço: não me levem mais para esse caminho e sim para um lugar onde haja gente. Gente de bem.
Prometo nunca mais me embriagar.

Paulo Fernandes.

                                                           
 Psicografia recebida em 2018.                                     
 Médium: Catarina.

sexta-feira, 28 de dezembro de 2018



 A NATUREZA DIVINA




Como é bela a natureza Divina.
O nascer do sol.
O cantar dos pássaros.
O desabrochar de uma flor.
A chuva que cai molhando a terra e trazendo o alimento.
Como é bela a natureza Divina.
No sorrir de uma criança.
No amor de uma mãe a embalar um filho no colo.
Na alegria de estarmos podendo desfrutar de tudo isso através da nossa perfeita visão.
Na felicidade de ouvir os maravilhosos sons da natureza, o bater das águas do mar, o correr de um rio, o barulho de uma cachoeira que não para e segue incessantemente.
Na alegria de sentir o cheiro do mato, o cheiro do mar, o cheiro flores.
Na alegria de estarmos vivos, na oportunidade bendita da reencarnação.
Olhar a beleza da natureza nos eleva para Deus.
Da natureza tiramos elementos necessários para nossa paz e refazimento.
Admirar a natureza Divina;
Faça isso e passará a enxergar o mundo com outros olhos.
Existe maior espetáculo em ver um céu cheio de estrelas numa clara noite de lua cheia?
Deus é a natureza, é cada árvore que oferece sombra ao viajante, é a água que mata a sede, e o sol que nos aquece e que nos ilumina com seu brilho.
Deus é a natureza assim como a natureza é Deus.
Muita paz.

Um amigo.  


           Psicografia recebida em 2018.                                     
           Médium: Débora.


sexta-feira, 21 de dezembro de 2018



NATAL DE PAZ


            O que é o Natal?
            Para um número elevado de irmãos, o Natal significa confraternização com os colegas de trabalho e correria para comprar presentes.
            Para os irmãos, recém-chegados do plano espiritual, vivem esta época sonhando com coisas materiais. Brinquedos e árvore de natal rica de enfeites povoa o imaginário desses irmãozinhos.
            E para você, o que é o Natal?
            É com profunda tristeza que faremos estas breves observações. Sem julgar a nenhum de nossos irmãos, nem mesmo condenar suas ações, buscamos aqui alertar para as responsabilidades que cabem a todos, na harmonia do universo.
            A compreensão de nossa permanência na Terra, necessariamente passa pela ampliação de nosso conceito de VIDA.
            Questionamentos tais como: por que estou aqui? De onde vim? Qual a causa de tantas dificuldades? Estas respostas são a chave que abrem a porta de uma nova vida.
            Não pretendemos condenar as confraternizações entre colegas, nem mesmo os presentes dispensados aos irmãos de nossos afetos, no entanto é preciso mais.
            O primeiro ponto que convido à reflexão é o papel dos pais. Recebem os irmãos que quase sempre constituem atores de peça mau encenada. A santa tarefa de educar a estes, apresentando novos valores, restringe-se à valorização do material.
            Presentear somente aos que dispensamos afeto, configura nosso estado inicial na escala evolutiva. Ignorar irmãozinhos que mal possuem o de comer, ignorar a tristeza da mãe que, em apelo a Deus, roga a concessão de algo aos filhinhos, configura nosso egoísmo.
            Vencer estes defeitos, caminhar na estrada de Cristo configura em todos os sentidos, a realização plena da tarefa encarnatória. Cabe aos pais, orientar sem descanso, aos irmãozinhos que recebem como filhos.
            Quando, na noite de Natal, buscar confortar aqueles com os quais não tem nenhum vínculo afetivo, mas o vínculo espiritual de ser seu irmão, grande passo terá dado na eterna evolução.

Fernando Botelho
  
Psicografia recebida em 2018.                                      
Médium: De Paula.


sexta-feira, 7 de dezembro de 2018



FEZ A DIFERENÇA

Não queria nascer. Relutei e fiquei muito zangada com todos que tentavam me persuadir e mostrar pra mim que era Deus que estava pedindo o meu retorno à Terra. Tudo bem se fosse para nascer numa família rica, de grandes posses, eu com certeza não ficaria brava ou infeliz, mas nascer em uma favela, na pobreza e ainda negra, não com certeza não, mas foi inútil eu ficar debatendo e questionando a vontade de Deus.
Renasci com uma cor invejável, era negra altiva, com um intelecto impressionante e uma beleza invejável.
Não aceitava a condição de pobre, queria mais e muito mais. Minha família honesta, trabalhadora e meus irmãos todos de boa índole, mas eu queria mais e muito mais.
Eu não era uma pessoa egoísta, tinha bons pensamentos e muita fé, eu queria sim muito, mas não para mim somente. Gostaria que todos da favela, onde eu nasci, fossem felizes e que tivessem direitos a educação, saúde e principalmente respeito.
 Eu tinha um propósito e sentia que Deus havia me escolhido, era uma sensação incrível, uma conexão muito interessante. Resolvi não mais questionar e comecei a estudar, a ler e a escrever a autoridades que estavam perto de mim, que se sentiam no direito de serem donos de tudo, bem os grandes chefes do tráfico, e comecei a ter liberdade de locomover e a conhecer outras famílias.
Conheci uma triste realidade dessas famílias que por pouco desisti de seguir em frente. Não pensei que perto de mim havia tantas famílias vivendo na miséria, em total pobreza, sem noção de higiene, de saúde, enfim uma tristeza me envolveu e naquele dia vi que eu teria que fazer algo.
Um dia de cada vez, meus pais falavam pra mim, filha calma, tudo vai acontecer no seu devido tempo. Mas não podia esperar muito, são crianças, idosos e são pessoas, gentes como nós.
Um dia falei aos meus: Hoje irei fazer uma visita, uma vista a uma família escolhida por Deus, vou caminhar e a casa que me chamar mais atenção eu vou visitar. E assim eu fiz, sai com uma sacola contento sabonete, toalha, pente, uma tesoura, esmalte, achei que estava enlouquecendo, mas sai e deixei meu coração me guiar.
Entrei e fui muito bem recebida, as crianças não entenderam, mas fiz uma fila e dei banho, cortei cabelo, pintei as unhas das pequenas e quando eu vi todos estavam limpos e contentes.  
Eu estava tão feliz, mas não bastava só o banho, não tinham comida em casa, então fiz um mutirão com os meus irmãos e logo eu estava entregando uns alimentos e dando lições de higiene.
Hoje aqui relembrando de tudo isso, vejo como fui corajosa e temente à Deus, tinha tanta certeza que eu ia fazer a diferença que o medo nunca foi o meu problema.
Vivi uma vida para os outros, fui muito feliz, não tive filhos e nem uma família, mas recebo todos os dias um abraço de crianças e idosos que eu ajudei de uma forma simples a serem dignos, de serem filhos de Deus.
Atenciosamente, uma mulher que fez a diferença, um dia de cada vez.

Lúcia Ferreira.         
    
                                                              
Psicografia recebida em 2018.
             Médium: M. Nicodemos

sexta-feira, 30 de novembro de 2018



UM  BUQUÊ DE FLORES


Admiro as pessoas que sabem apreciar as flores, que cuidam delas. O solo é preparado, a semente lançada. Daí a pouco as raízes desenvolvem-se e os brotos arrebentam e as folhas e flores despontam.
Assim foi minha vida. Fui jardineiro. Cultivei flores nos jardins que cuidava. Mais que isso eu era excelente podador de arbustos e fazia verdadeiras esculturas nos palacetes que era chamado para fazer aquela arte. Eu considerava uma arte.
Como fui chamado para trabalhar em um jardim de nobres, ali estava eu, com a tesoura em riste pra podar uma planta já bem crescida.
Quando abri a tesoura para podar a planta ouvi gritos de criança que era sufocada por mãos de um adulto. Eu não pensei e fui com a tesoura nas mãos e avancei para o homem que tentava maltratar aquela criança e o golpeei. Oh! Tragédia, ele não resistiu ao golpe e agonizando o deixei e a menina correu apavorada.
Fui castigado pelo crime que pratiquei, fui julgado e penei em cadeia pública sem ter advogado ou alguém que me defendesse. Ninguém acreditava em mim.
Eu naquela cela fria, úmida e escura fui definhando devagar. Quase não via a luz do dia. Me esqueceram lá. E lá eu morri.
Fiquei jogado em necrotério e tive um enterro vulgar sem mesmo uma oração.
Fui levado ao plano espiritual, me foi explicado que eu estava expiando uma vida pregressa, mas que agora estava livre.
Um dia em meu quarto, eu ainda convalescia, pois foi a tuberculose a causa de minha morte. Ouvi um coro de anjos de vozes celestiais, um perfume muito suave, e pétalas de flores caindo...
Aquela menina que eu salvei fazia parte daquele coro, e sem palavras audíveis me agradecia tê-la salvo. Realmente a salvei. Ela sorria para mim, aproximou-se de meu leito e beijou as minhas mãos. Deu-me um buquê de flores que ainda conservo em meu quarto.
Daqui a pouco já vou ter condições de sair do hospital, estudar e tentar pedir uma nova reencarnação.
Creio que desta vez terei uma família, que não tive na encarnação que eu considerei uma tragédia. E que essa menina fará parte de minha família.
Poderei também ter um jardim para cuidar, para que também possa presentear alguém que goste de flores, com um buquê de flores perfumadas.
Agradeço a Deus poder expressar-me nessa mensagem.
Flores perfumadas para vocês que fazem parte desse grupo.

Armando.      

                                                            
 Psicografia recebida em 2018.                                     
 Médium: Catarina.

sexta-feira, 23 de novembro de 2018




ORAÇÃO DIÁRIA

          Quando estive na Terra, poucas vezes me lembrei de orar. Normalmente, confesso, lembrava na hora do aperto.

Pedia a Deus de um tudo. Mais tarde somente, percebi que a maioria de meus pedidos eram descabidos, ou infantis, como de uma criança.
Aproveito esta oportunidade para dizer a vocês, após várias dificuldades que passei em diversas existências, colhi algumas aprendizagens que divido com todos.
Ore sempre, principalmente nos momentos de tranquilidade. Peça a Deus apenas o que merece. Nos momentos difíceis peça apenas força. Assim você evitará pedidos descabidos e infantis.
Deixo uma pequena prece, sem nenhuma pretensão de receita, nem de fórmula mágica, pois se alguém lhe oferecer tal amuleto, de pronto, diga que a prece necessariamente tem que vir do coração.

Pai de magnânima bondade.
Venho agradecer a oportunidade de nova existência.
Venho agradecer pelas bênçãos que, sem que perceba, recebo diariamente.
Sei que aqui é uma escola e algumas provas me esperam.
Rogo-te força, sabedoria para que eu possa superá-las.
Quando as provas chegarem, talvez não tenha equilíbrio suficiente para recorrer a ti.
E se o desespero me envolver.
Tenha misericórdia de mim.

Um irmão

Psicografia recebida em 2018.                                     

Médium: De Paula.