sábado, 12 de agosto de 2017


UM  PAI  QUE  MORREU  PELOS  FILHOS

            A cabeça doía, e como doía...
            Vários dias, vários meses... O que seria?
       Um belo dia, que não sei dizer quando, a dor foi insuportável, eis que eu perdi minha consciência. Fiquei imóvel, mas via tudo de um lugar que não sei averiguar.
            Hoje me encontro em convalescençia.
            Minha cabeça está envolta em gases, mas já não sinto dor.
         Somente sinto que tudo poderia ser melhor se eu soubesse o que hoje eu sei que tudo se acaba com a morte, as coisas materiais...
            Era tão grande meu desassossego com os meus negócios que eu esquecia de mim, mesmo daquela dor que me torturava.
           Queria dinheiro, fortuna para os meus filhos, cada vez mais, e hoje acho que  eles nem se incomodaram comigo e seguem suas vidas normais, apenas lembram vagamente de minha existência, e eu aqui estou pedindo preces e orações de todos vocês para o meu completo restabelecimento.      
         
            Otacílio.
                                                                        
          Psicografia recebida em 2017.                                     

          Médium: Catarina.

sábado, 5 de agosto de 2017

~
SUICIDEI. NÃO TINHA ALEGRIA DE VIVER


Noite escura, sem estrelas, dia sem calor, pois o sol não apareceu. É assim que me sinto um infeliz, o meu mundo sem cor, vivia no cinza, a tristeza me consumia aos poucos.
Meus familiares sempre com uma palavra amiga a me ajudar, não conseguia ouvir. Cheguei no meu limite, não suportava mais viver, lutei um pouco contra a vontade de morrer, mas quando não mais consegui enxergar a cor cinza, aí foi o meu limite, coloquei um fim em tudo.
Me sinto pior do que quando estava aí, pois ouço o lamento dos meus familiares, a dor profunda de minha mãe me faz ainda pior.
Hoje aqui com vocês  ainda me recuperando da ferida que causei em meu corpo, pois não fecha e fica aberta latente, para eu não esquecer em nenhum momento que feri o meu próprio corpo que era perfeito que meu Pai Celestial me deu no dia em que fui criado e amado como o seu filho “Jesus”, mas a todo momento me chega ajuda, são mulheres com carinho maternal, são crianças com seu carinho inocente e dos homens com seu amor de força e lealdade.
Quero deixar aqui o meu relato para vocês que com carinho recebem a todos nós com respeito e com muito amor.
Não sou um covarde, sou apenas um filho de Deus que não soube vivenciar as maravilhas de uma vida tão perfeita e saudável que eu tinha, não me faltou nada, simplesmente  deixei de ver o mundo colori do.
Fiquem com Deus, e que Ele dê à todos vocês saúde e alegria de viver.  
  
             
              Ricardo A.                   

 Psicografia recebida em   2017.

             Médium:  M. Nicodemos.

sábado, 29 de julho de 2017


SUICIDA?  EU?

Minha última experiência na Terra foi um tanto conturbada, embora tivesse todas as oportunidades de ter sido uma existência feliz já que nasci em uma família feliz e compreensiva. Meu corpo era perfeito e minha inteligência privilegiada, mas ao contrário disso tudo, não aproveitei o que de bom tinha trazido.
Fui pessoa famosa, muito conhecido, fiz muito sucesso e, como se nada disso me bastasse, comecei a procurar outros caminhos: primeiro a bebida, o inebriante efeito do álcool me deixava em êxtase, depois com drogas leves, pois o álcool já não bastava e, por fim, me envolvi com drogas mais pesadas.
Cada vez procurava por emoções mais fortes e, assim, de busca em busca, fui me afundando mais nos vícios.
Comecei a não mais cumprir meus compromissos, tendo muitas vezes que pagar grandes importâncias para pagar multas por não cumprir os contratos. Quando não estava drogado, passava a maior parte do tempo dormindo e assim fui ficando pior a cada dia. Já não havia mais nada daquele jovem sonhador e cheio de vida.
Até que um dia meu coração não aguentou e acabou falindo por tantas drogas. Tive uma overdose e parti da pior maneira, completamente louco.
Quando acordei e vi a maneira como eu estava, me desesperei muito. Estava sujo, cabelo desgrenhado, unhas enormes, enfim, parecia mais um homem das cavernas. Escutei um coro de espíritos tão sofridos como eu a me chamar de suicida, não conseguia compreender. Suicida? Não, isso não! Eu gostava de viver, de aproveitar minha vida, isso nunca!
Não sei quanto tempo passei dessa maneira, até que fui resgatado por espíritos bons que vieram ao meu auxílio, me limparam, cuidaram de mim e me fizeram entender o que eu havia feito da minha vida. Sofri por ter visto e entendido o quanto fui tolo achando que aquilo era “viver”.
Agora, muitos anos depois do meu desencarne, me sinto melhor, ainda estou em tratamento e melhorando a cada dia.
Deixo aqui um pedido aos jovens que, como eu, veem nas drogas a maneira de viver intensamente. Não façam isso, não desperdicem a oportunidade, não se deixem influenciar por amigos que convidem a experimentar os primeiros porres, as primeiras experiências com as drogas.
Meus amigos não se deixem enganar, ainda há tempo, saiam dessa vida. Vamos amigos, força! Vocês vão conseguir! Não queiram chegar aqui da maneira como cheguei, retomem as rédeas das próprias vidas.
Força amigos, força e coragem.    

Meu nome?
Meu nome é Música.      
             
Psicografia recebida 2017.
             Médium: Débora S C.

sábado, 22 de julho de 2017


PARTI  TÃO JOVEM AINDA

          Certamente alguém diria: Quê? Eu, linda, maravilhosa, tão altiva, tão cheia de si, acabei dessa maneira? Claro que não dá para acreditar.
          Sou eu essa a quem alguém se lembrou de pedir para que eu desse testemunho da vida além da morte. Mas nem eu mesma acreditava. O que me aconteceu, eu nem mesmo sei explicar.
         Uma dor de cabeça intensa me levou a me consultar, e eu comecei também a confundir as coisas. Eu sabia que não estava bem. Os médicos detectaram um tumor maligno no meu cérebro.
         E eu tive que me submeter a uma operação. A primeira coisa que fizeram foi raspar minha cabeça. E aí começou.  As quimioterapias e os medicamentos fortes me arrasaram e eu, linda que era, me tornei cadavérica. 
         Não queria ver ninguém e sabia que meu fim estava próximo e realmente morri.
         Mas qual o quê?!  Morri, mas estava viva, muito viva  e revoltada. Como podia isso ter acontecido?
        Quanto mais me revoltava, mais sofria... Mas um dia (oh, dia feliz!), veio um anjo da felicidade, minha madrinha e me socorreu. Fui, com ela, levada para uma casa de repouso e tratamento. Eu ainda me acho em recuperação e aqui fui trazida por ela.
        Posso dizer a vocês que estou curada do câncer sim, mas ainda tenho de me curar da revolta por ter sido colhida tão jovem ainda de minha vida.
        Procuro entender e, devagar, vou aprendendo algo da vida espiritual e ainda vou saber o porquê das coisas.
         Recebam meu muito obrigada por me darem essa oportunidade.     

         Clarisse. 

Psicografia recebida em 2017.                                      
            Médium: Catarina.

sábado, 15 de julho de 2017


O  PRECONCEITO  ME TIROU DO MUNDO

 Jesus, meu Irmão, eu estou em sofrimento íntimo, não sei mais o que fazer, sinto que minhas forças estão se esvaindo, o que fazer diante de tanto preconceito, crueldade e falta de sensibilidade.
Estou em meios de pessoas que não respeitam o meu modo de ser, o que eu desejo não é impor e sim quero que todos possam compreender que sou um ser humano mulher num corpo carnal, e o meu espírito, o meu ser é de um homem. Se as pessoas não têm ainda a compreensão e a sabedoria de entender pessoas como eu, porque o Senhor deixou que viéssemos nascer neste mundo cruel e lindo ao mesmo tempo.
Eu quando criança eu achava que o mundo era maravilhoso, tinha amigos, brinquedos, as crianças podiam sentir o meu jeito diferente e o meu gosto por brinquedos masculinos, mas não havia questionamentos e nem preconceito, tudo era encantador e simples.
 Hoje vivo debaixo de saias, colares coloridos, pulseiras e anéis, pois minha mãe quer que eu me pareça uma mulher, não importa o meu sentimento e sim o que os outros vão falar, a sociedade é cruel e ingrata, não consigo viver assim meu Irmão. Sei o que quero fazer vai contra a lei de Deus, mas não consigo vestir e nem me comportar mais como um ser que eu não sou.
Eu vou tentar outra vez a sobreviver neste mundo, vou dar uma chance para mim e para eles de me enxergar como eu sou um ser maravilhoso, tenho sentimentos bons em meu coração trago sabedoria e entendimentos que fariam todos se apaixonarem por mim.
Dias se passaram e nada mudou, estou morrendo e o Senhor sabe de todas as coisas e já viveu momentos de solidão e incompreensão por pessoas próximas a Ti. Enfim eu sei que vou padecer na escuridão, mas vejo que a escuridão que vivo hoje neste exato momento é mais triste e deprimente, eu vou ao encontro do desconhecido, sim eu vou.
Hoje estou aqui na espiritualidade já recuperado e buscando ainda a luz e com os amparos de amigos espirituais e de amigos que viveram o que eu vivi, procuro entender e quero um dia perdoar todos aqueles que um dia tanto me magoou.
O que eu fiz não foi o correto, mas não fui forte e nem corajoso e busquei na doce ilusão o jeito mais fácil, pois sofri no lamaçal do umbral, na escuridão do esquecimento e na ilusão de que as dores iam passar, só que não passaram.
Eu quero agradecer ao meu Irmão, Jesus, por ter tido misericórdia por mim, uma mulher no corpo, mas um homem em espírito.

Maria Joaquina.            

            Psicografia recebida em  2017.

             Médium: M. Nicodemos

sábado, 8 de julho de 2017

MORRI E NEM MEU FILHINHO EU CONHECI

Me sinto muito triste, alguma coisa em mim me culpa pelo que me aconteceu, sei que não fui imprudente, sei que não estava sob a influência do álcool e sei mais ainda que tendo o que eu mais queria era estar vivo para aproveitar o momento mais feliz da minha vida.
Se sei de tudo isso não consigo imaginar o porquê de me sentir culpado. Sensação estranha essa que sinto, isso faz com que minha dor se torne muito maior e com ela a revolta chega e toma conta de mim.
Vou contar aqui o que aconteceu comigo! Estou tão confuso que nem sei a quanto tempo estou nessa situação, não sei quanto tempo se passou desde que eu aqui cheguei.
Eu trabalhava numa cidade bem próxima a qual eu morava, morava em uma cidade pequena e por estarmos acostumados com a vida sossegada daquele lugar onde nascemos não tivemos vontade de nos mudar para a cidade grande próxima, já estava acostumado desde os tempos da faculdade a ir e vir todos os dias, esse era o costume de todos os que moravam em minha cidade, a maioria trabalhava fora, por não ter emprego naquele lugar pequeno e pacato.
Era um dia muito feliz, estávamos na contagem regressiva para a chegada do nosso bebê, nosso menininho, tão sonhado e esperado com tanto amor, eu amava tanto minha companheira, vivíamos tão felizes, crescemos juntos e acho mesmo que nos amávamos desde sempre. O telefone tocou e era minha esposa ligando para me dizer que estava indo para o hospital, começava a sentir as dores, a hora era chegada, nosso bebê ia nascer.
Eu mais feliz que nunca contei aos amigos e me preparei para voltar,queria estar ao lado dela, e sabia que daria tempo, afinal eram apenas uns cinquenta minutos de viagem.
Despedi-me dos amigos e entrei no meu carro rumo a minha cidade, quanta alegria sentia naquele momento, sabia que no pequeno hospital em que o bebê nasceria todos eram conhecidos nossos, e que minha querida estaria bem cuidada. Saí doido para chegar, mas não acelerei o carro a mais por isso, ia tranquilo como sempre, cantarolando feliz pelo caminho.
De repente vi um caminhão que carregava gado saindo de uma estrada de terra, vi aquele caminhão só por um relance, não tive tempo de raciocinar, de fazer mais nada, fui atingido em cheio e tudo aconteceu, ali mesmo naquela estrada despedia-me da vida. Fui saber disso algum tempo depois quando despertei e desesperado me dei conta do que me havia acontecido.
Como isso foi acontecer comigo, meu Deus porquê? Eu queria tanto ter conhecido meu filho, nem isso me foi permitido. Queria muito conseguir entender, aceitar, mas não consigo. Estou muito revoltado, sempre feliz, caridoso, bom filho, meu Deus fui tudo o que uma pessoa de bem é, acho que nem sei o que é ser do bem, como estou confuso...
Quero ver meu filho, minha esposa, mas não consigo os encontrar. Como será que estão as coisas sem a minha presença, coitada da minha mulher, tão nova, com tanto amor por mim, imagino como deva estar sofrendo e não sei o que fazer,nem sei onde encontrá-los.Preciso de ajuda! Alguém aí me ajuda por favor, quero me sentir melhor, quero ajudar minha mulher. O que fazer Jesus?
Acho que preciso por fim a essa revolta que toma conta de mim, quem sabe assim as coisas possam mudar, mas quando penso assim em seguida penso que não poderei voltar e tomar minha vida do ponto onde ela parou, sou um ser que perdeu o discernimento, perdi a razão. Preciso de ajuda, acho que alguma coisa deve ter que mude essa situação.
Me ajuda Jesus, preciso muito disso. Sinto enlouquecer de tanta dor.
Preciso muito saber como está família que deixei e preciso saber também se um dia isso tudo vai acabar.
Acredito em Deus, sempre acreditei, mas ando muito descrente, por que será que Ele não permitiu que eu pelo menos tivesse tido a alegria de conhecer meu filho, por que quando ele chegou eu tive que partir?
Quero muito entender isso.

Claudionor.       
             
Psicografia recebida 2017.

             Médium:Débora S C.

sábado, 1 de julho de 2017


NUM ACIDENTE DE MOTO EU MORRI


Apenas quero dizer uma coisa a respeito de tudo que me aconteceu e que hoje vejo e tenho certeza que foi para o meu absoluto bem.
Eu era jovem, é verdade, mas nem por isso ignorava de que além da morte existia alguma coisa mais palpável e mais aceitável. Creio que já nasci com essa convicção.
Agora que já me sinto refeito de todos aqueles acontecimentos funestos, acontecimentos que me abrangeram o íntimo com muita violência. Posso dizer que já me sinto bem.
Passei por momentos dolorosos de não aceitação das coisas, pois eu ainda queria viver mais e recuperar todas aquelas coisas que eu considerava perdidas. Agora vejo que tudo aquilo era supérfluo e que o que mais me interessava era aquilo que eu poderia conservar depois de morto.
Pois bem, quando me senti livre de meus despojos eu me senti desamparado e sem rumo, até que surgiu um senhor, transeunte que me amparou e disse: “Rapaz você está muito ferido, vou te ajudar.” E levou-me a uma mansarda, ou melhor a um casarão grande em que transitavam muitas pessoas. Era um casarão antigo, parece que foi improvisado num hospital de campanha ali.
Pessoas muito boas me levaram, me lavaram, me deitaram, me medicaram e fiquei bastante tempo ali. Eu tinha muitas perguntas a fazer, mas antes que eu as fizesse eles me respondiam.
Fiquei em um quarto onde havia outro paciente também acidentado.
Um dia veio um senhor, que era como um psicólogo me fazendo perguntas e me dando explicações. Eu desencarnara em um acidente de moto. Não vi como foi, pois foi rápido demais, só que eu desencarnei no local.
Ia ser transferido para um hospital maior e me submeter a uma cirurgia nas pernas, elas estavam fraturadas.
Eu aceitei calmamente, com muita vontade de perguntar pelos meus, mas retive minha pergunta pelo respeito e pelo medo da resposta. Estava comigo minha namorada e eu não queria saber se ela estava ou não viva.
Não perguntei e até hoje não sei como ele está, queria saber.
Hoje, quer dizer há poucos dias me disseram que eu ia ter a oportunidade de escrever, e que eu já podia fazer o que desejava.
Aqui estou agradecendo quem pediu por mim e dizendo: estou bem.
Já estou andando e leve, muito leve e vocês vão saber de mim por outras pessoas.
Abraços à todos.

Anderson Boaventura Bauni.


Psicografia recebida em 2017.                                      

            Médium: Catarina.