sexta-feira, 17 de agosto de 2018


MÃOS VAZIAS

Através dessas linhas que hora escrevo pretendo contar-lhes um pouco das duas últimas encarnações.
Começo então pela penúltima, eram os anos de 1800, por essa época nascia em uma grande fazenda de café, no interior do Brasil, cheia de vida e saúde dava meu primeiro suspiro de retorno à carne. Tinha tudo pra ter sido útil e feliz, mas me entreguei a inutilidade e a proporcionar a infelicidade daqueles pobres negros que viviam nas senzalas insalubres das fazendas do meu pai.
Não sei porque tinha tanto ódio meu coração tão jovem, me comprazia em ver aqueles pobres negros sofrer, era como se a dor deles me desse enorme prazer, minha crueldade era tanta que sentia prazer em ver aquelas costas serem rasgadas pela chibata do feitor, homem  rude e de maus modos.
Passei por essa encarnação só prá ser servido e fazer o mal, não consigo me lembrar de uma única vez que tenha sido boa à alguém, uma única vez que tenha feito alguém feliz. Casei com homem igual ou pior que a mim mesma, casamento arranjado, nunca conheci amor, nunca amei, nem mesmo ao meu único filho. Nunca consegui amar aquele ser, logo após o nascimento já foi entregue as muitas amas que ali viviam, jamais tive para com ele o menor gesto de carinho, nunca o aconcheguei em meu regaço, jamais lhe ofereci o alimento que jorrava dos meus seios. Ele foi crescendo e se tornando um lindo rapaz, mas para mim não fazia diferença, como fui má. Não cativei nem o amor do meu filho que por isso nunca me amou como se ama a uma mãe, era-me completamente indiferente.
   Os anos passaram, não cheguei a envelhecer, uma enfermidade me levou de volta à Pátria Espiritual, lá cheguei com as mãos vazias, vazias de tudo. Voltei carregando comigo o ódio daqueles pobres negros que muito comemoraram a minha morte.
Mais uma vez o tempo passou, muito sofri e muito aprendi, novamente chegou a hora de novo mergulho na carne, pensava em ser pelo menos um pouco melhor dessa vez.
Volto então a minha última encarnação. Não nasci em família muito abastada, mas com condições suficiente para que nada me faltasse, teria aí chances de através do meu esforço conseguir vencer financeiramente e moralmente, da mesma forma que me foi dada condição de ter escola, tive em casa na escola do lar mãe amorosa que ensinou a amar a Deus, ser caridosa e fazer o bem. Ela tentou, eu infelizmente não aprendi.
Era inteligente e logo me destaquei nos estudos, me formei, tive uma profissão e me casei com homem de posição, era bela, inteligente, interessante, tinha dinheiro e recebi ensinamentos, enfim tudo para viver bem e fazer o bem. O que fiz? Mais uma vez tudo errado.
Menosprezava os que tinham condições inferior a minha, não gostava de me misturar com empregados, jamais pratiquei a caridade, achava que a tudo e todos se comprava com o dinheiro. Dessa vez aprendi a amar, mas só os meus, queria ver meus filhos bem, o resto não me importava. Nunca pensei em ajudar a ninguém, achava que quem não conseguia sucesso financeiro era porque não tinha coragem, a todos julgava, achava que se não conseguiam é porque eram preguiçosos, porque faltava-lhes coragem, nunca pensei que pudesse ser por falta de oportunidades.
Pensava na minha aparência, nunca me conformei com o fato de estar envelhecendo, cada ruga que marcava meu rosto representava enorme tristeza para minha alma extremamente fútil. Outra vez ele, o tempo, passou e eu idosa, demente regressei à Pátria Espiritual. Mais uma vez retornei de mãos vazias!
Meu Deus aqui estou à tantas décadas, tanto tenho aprendido, e tanto medo sinto, vejo que em breve devo estar sendo chamada a nova experiência na carne, o que fazer? Preciso dessa oportunidade, não posso mais falhar, sei que a natureza não dá saltos, mas preciso dar um salto na minha triste existência, não posso mais voltar de mãos vazias.
Quanta vergonha e medo sinto quando olho minhas mãos, vergonha do que não fiz e muito medo do que vou fazer, mas uma coisa eu tenho certeza, não quero, não devo e não posso mais trazer as mãos vazias.

Meu nome? Prefiro não dizer!
Mãos vazias.
               
Psicografia recebida 2018.

            Médium:Débora S C.

sexta-feira, 10 de agosto de 2018


O CÂNCER ME CONSUMIU


          Jesus sofreu, eu também sofri. Estava consternado com meu sofrimento. O câncer corroia-me não só meu corpo físico, mas também minha alma. Eu ainda me considerava tão jovem para morrer...
         E como sofri, cada sessão de quimioterapia e radioterapia eu ia ciente que melhoria, mas qual o que? Eu só piorava. Tinha dias que eu sentia uma pequena melhora, mas depois tudo voltava ao início.
         Meus familiares cercaram-me de carinho e dedicação. Foi uma dádiva. Até aqueles que eu achava que não me tinham muita consideração, se cercaram de mim. Faziam-me vistas tanto em casa como no hospital.
         Devo nesse momento fazer um agradecimento a meus médicos e aos enfermeiros que cuidavam de mim com tanta dedicação.
         À proporção que meu corpo se tornava debilitado, minha alma se rebustecia. Nos meus sonhos eu estava sadio. Sentia-me jovem e forte como nos velhos tempos. Mas ao acordar eu sentia as dores e a aflição.
         Meu corpo já não correspondia aos meus desejos simples de ao menos me assentar na cama. Tinha que ser ajudado. Já não podia fazer quase nada.
         Um dia vi aproximar-se de mim muitos irmãos que eu pensei serem evangélicos. Muitos felizes, falantes. O mais idoso, que achei ser o pastor se aproximou de mim e disse: “Chegou a hora, vamos liberta-te e levar-te para um lugar onde vais ser curado de teus sofrimentos. Ajuda-nos com seus bons pensamentos, pois irá torna-te mais leve. Vamos meu irmão.”    
          Eu quero despedir dos meus, da minha filha, de meus netos, dá-me essa oportunidade, respondi.
          E eles disseram: “Sim despeça.”
           E em espírito beijei a cada um deles. Eles não estavam presentes e eu não sei como percorri a distância que nos separava. Beijei-os, agradeci-os. E me fui, levado por aqueles irmãos que de uma forma desconhecida me auxiliavam apenas com as mãos.
          Só sei que fui “transportado” a uma distância incalculável. Fui ficar em lugar de muita paz. Um hospital que tinha jardins que exalavam perfumes de flores que eu desconhecia também.
           Hoje após esse tempo, sinto-me recuperado. Já posso, de meu lado, auxiliar aos que como eu padecem de câncer.
          Eu hoje agradeço a Deus a oportunidade de estar aqui nesta reunião, participando ativamente e deixando o meu testemunho de que a “morte não existe”. A felicidade é conquista nossa.
          Obrigado irmãos, muito obrigado.

           Anselmo.
              
            Psicografia recebida em 2018.                                     

            Médium: Catarina.

sexta-feira, 3 de agosto de 2018



A PEQUENA GUERREIRA

Num momento tão lindo de minha vida eu fui comunicada através de médicos que minha filha tinha uma grave doença pulmonar. Eu com minha fé fui atrás de tratamentos com os melhores médicos. Tentei passar para minha pequena confiança e coragem, mas no fundo do meu coração estava descrente e sem animo para cuidar e já estava sem esperança de cura.
 Vi minha pequena emagrecer, cair os cabelos e ela com sua inocência e acredito que Deus protege intensamente as crianças, pois para ela parecia tão simples, tudo que se passava somente ouvia dela um leve choro quando os medicamentos eram venosos e como toda criança quando vê uma agulha se espanta e chora, mas ela tinha um olhar que dizia: “Tenha calma mamãe, não sofra tanto assim!”. Crente chego a ver esse olhar neste momento e quantas saudades tenho de minha pequena.
Eu sentia que ela sabia da gravidade de sua enfermidade, mas sempre mantinha a calma e com um sorriso no canto da boca dizia: “Vamos curti este momento mamãe!”.
Mas infelizmente o meu sofrimento passou a ser maior que o dela. Fui levada pela tristeza, fui totalmente covarde diante do sofrimento de minha pequena. Vi que estava doente também, num momento em que eu deveria estar forte, mostrando fé, esperança e confiança nos médicos, acabei sendo totalmente engolida pela depressão.
 Meu estado de saúde se agravou. Fui colocada em hospital psiquiátrico e minha família ficou responsável pela minha pequena. Muitas vezes fui vê-la no hospital sempre acompanhada por um enfermeiro ou médico, eu quando olhava para ela podia sentir e seu olhar o que ela queria dizer: “Mamãe tenha confiança e coragem!”, minha pequena era guerreira.
Num momento tão triste não pude cuidar de minha filha. Seu pai, um homem bom, jamais deixou de ajudar, sempre que possível estava presente, pois ele precisava trabalhar para pagar as despesas de hospitais e medicamentos.
Minha pequena faleceu em 2007, numa tarde de sol, o céu estava azul, na clínica onde eu estava os pássaros cantavam alegremente, senti a sua partida, fiquei calma e não sei explicar o que aconteceu comigo, mas eu vi o seu olhar e ele me dizia algo assim: “Mamãe estou bem, aqui não vai haver mais sofrimento, não sofra com a minha partida, estou bem, existe luz onde eu estou indo”.
Eu fiquei calma, minha doença não se agravou, mas não sai da clínica, fiquei hospitalizada até o dia do meu desencarne no ano de 2010. Nunca lamentei o falecimento da minha pequena, jamais culpei Deus por isso, mas eu me culpo e trago aqui na minha alma a tristeza e sei que deixei infeliz o meu Pai que está no céu. Ele me confiou uma pequena e eu com a minha pequenez não fui capaz de cuidar devidamente como uma mãe forte que devem ser todas as mamães.
Hoje me encontro em recuperação em uma casa acolhedora e sei que o meu encontro com a minha pequena depende exclusivamente de mim.
Tenho certeza que vou conseguir através da minha confiança e coragem e com a ajuda de toda essa equipe sinto que em breve estará em meus braços a minha pequena guerreira Gabriela.

E eu Luciana, uma mãe que aprendeu muito com sua pequena a ser guerreira, agradeço ao Pai por tudo.
  
                                                            
Psicografia recebida em 2018.
             Médium: M. Nicodemos

sexta-feira, 27 de julho de 2018



RELATOS DO SUICÍDIO


É doloroso para mim ter que relatar e lembrar de tudo que passei antes e após desencarnar. Doloroso, mas necessário. Precisava dessa comunicação que me foi permitido, pois as sequelas são grandes e o processo de refazimento é muito lento.
Quero gritar aos quatro cantos para que as pessoas não cometam atos insanos como eu cometi. É muito sofrimento, muito doloroso e de nada adianta.
Na verdade, tudo começa com uma grande perturbação em nossa cabeça. Parece que uma voz vem até nosso ouvido dizer o que temos que fazer para amenizar as nossas dores, é uma voz do mal que não devemos escutar, mas ela toma conta de nós e passamos a dar crédito a tudo que ela nos fala. Claro que é tudo fruto da nossa mente perturbada e, ao darmos crédito, cometemos, muitas vezes, atos insanos.
Sei que fui um fraco. Acho que passei a minha vida sendo um fraco. Não foi da noite para o dia. Nada é assim tão de repente, tudo é um processo.
Não damos crédito ao que sentimos, nos deixamos ser conduzidos e, quando percebemos, já é tarde demais. Não nasci para morrer assim dessa forma. Deus não me deu a vida para que eu a tirasse, assim, sem pensar. E aí temos que pagar por esses atos errados que cometemos.
Preciso dizer que é muito sofrimento. Fui recolhido, muito tempo depois, de um vale escuro e gelado. Acho que me jogaram ali para eu pensar. Pensar em tudo que fiz com a minha vida. Esses pensamentos geraram dor, muita dor.
A todo momento me senti vivo e arrependido. Qual a razão de tirar a minha vida se eu me sentia vivo? Agora sim, o sofrimento foi muito maior.
Pensava eu... Que fazer agora?  O que eu fiz com a minha família? O que eu fiz com os meus amigos queridos? O que eu fiz comigo?
Quantas lágrimas deixei. Quanto sofrimento deixei.
Não feri só a mim, mas a todos que me amavam. Será que foram muitos? Não sei, pois não tive mais a consciência de ver. Fui tolhido de tudo. De amor, de amparo, de notícias. De tudo mesmo, até chegar à verdadeira exaustão e ao verdadeiro arrependimento. Só assim fui recolhido e amparado.
Estou em tratamento, pois muitas feridas consegui provocar no meu corpo e no meu espírito. Meu espírito está triste. Sinto um grande vazio. Minha cabeça está oca.
Meu coração pulsa em ritmo acelerado. Quantas coisas sinto hoje que não sentia antes e não posso mais tirar minha vida novamente, porque ela se foi. 
Queria dizer à minha família que meu arrependimento é imenso e peço desculpas por tanto sofrimento causado. Ninguém tem culpa. A culpa é totalmente minha. Somos responsáveis pelos nossos atos.
Queria dizer a meus amigos do coração, a falta que me fazem. Não existe mais aquele papo gostoso e é muito dura essa separação.
Estou aqui a caminhar em passos lentos, mas vencerei.
Fé e força é o que estou pedindo agora e obterei.
Fiquem todos na paz.
Retornarei um dia com uma bela mensagem.
Abraços eternos.

Roberto.

Psicografia recebida em 2018.
Médium: Regina.

sexta-feira, 13 de julho de 2018


O  MENDIGO

          Triste história a minha. Vim a esse mundo para mendigar. Mendigar o pão, mendigar o olhar de alguém, mendigar abrigo.
          Mendigo que fui, mendigo que sou.
          Mendigo eu maldisse a Deus, ao mundo, às pessoas.
         Certa feita estava eu à porta de uma igreja mendigando. Aproximou-se de mim uma moça segurando as mãos de uma menina linda. A menina estendeu os braços para mim, ao que a mãe retrucou: “Filha vamos, é um mendigo, não precisa de nada... ele ganha tudo...”.
          Eu me assustei! Como ganha tudo? Não ganho nada! Não me dão moedas para me ajudar e sim para se verem livres de mim. Nunca vi ninguém me olhar com amor e respeito. Só aquela menina.
           Passou o tempo e eu envelheci. Fui levado para um albergue publico, e lá vi aqueles olhos daquela menina, agora moça. Era uma enfermeira daquele albergue.
           Ela se aproximou de mim e perguntou: O quê o senhor quer de mim? Alguma coisa que eu possa dar? Uma sopa, um copo d’agua?
           Eu perguntei àquela enfermeira. De onde conheço seus olhos? Ao que ela me respondeu: Da porta daquela igreja. Eu não me esqueci do senhor e hoje eu posso lhe dar o que o senhor quiser.
            Eu lhe disse: Não quero nada, porque eu já ganhei tudo com sua dedicação.
            Daí a alguns dias a morte com seu semblante de zombaria veio me levar.   
            Eu me assustei e pedi que me trouxessem aquela enfermeira. Ela veio com seu semblante doce, se aproximou de mim, tomou minhas mãos e quando parei de respirar ela fechou meus olhos.
            Os céus se abriram para mim, eu estava feliz e podia descortinar um lugar de muita paz onde eu nunca mais precisei mendigar.

            Carlos, ou melhor, Cacaio.   
        
                                                          
          Psicografia recebida em 2018.                                     
          Médium: Catarina.

sexta-feira, 6 de julho de 2018



NUM  ACIDENTE  EU  MORRI

         Chovia muito e anoitecia. Queria chegar em casa de qualquer  maneira antes do anoitecer.
      Mas não conseguira. Um carro cruzou meu caminho e os faróis feriam meus olhos. O veiculo em que eu estava titubeava, escorregava na lama da estrada. Essa estrada de chão é muito boa enquanto não chove, mas se chove é um verdadeiro escorregador.
          Eu pisei mais forte e acelerei. O carro deu uma quinada e rodou, eu perdi completamente o controle. Eu estava só e meu corpo preso ao cinto de segurança ia para lá e para cá. Eu não enxerguei nada ao redor, só escuridão. Os pneus de meu carro pareciam não tocar no chão. Fui assim desgovernado, quando ouvi um estrondo, um estrondo em meus ouvidos, em minha cabeça. E eu não sei como aconteceu eu desmaiara.
         Fiquei por muito tempo assim sem sentidos. Até que ouvi vozes que se aproximavam (eu recuperara os sentidos, pensei.). Veio o socorro. Imobilizaram-me e puseram-me numa maca, todo amarrado. Levaram-me para a UTI de um hospital local. Fiquei algum tempo lá, não posso precisar quanto. Mas enquanto lá estive fui cercado de toda assistência, só que agora sei que não resisti. Morri.
          Vim para uma colônia espiritual que fica sobre a minha cidade. Ainda continuo lá em recuperação.
          Sou cercado de todas as atenções de meus antepassados. Vivo ainda como uma pessoa que se adapta. Ainda não me adaptei.
          Avise aos meus que estou bem, sinto muita falta de meus parentes e amigos.
          Breve darei mais noticias porque hoje é só o que posso falar.
          Estou bem e em paz.  

          Ramiro Duque.         
                                                           
 Psicografia recebida em 2018.                                     
 Médium: Catarina.

sexta-feira, 29 de junho de 2018


FELICIDADE NOS PRAZERES FÁCEIS


Tudo o que eu sinto é remorso, muito remorso, acho que não sou digna de ajuda, estraguei a minha vida, fui um pote onde toda a sujeira era depositada e com a minha permissão, como eu errei, não tenho perdão, tudo se acabou pra mim, já não há esperança no meu coração.
Vou contar-lhes a minha historia, embora muito me envergonhe, mas quem sabe um ser misericordioso poderá me auxiliar nesse momento.
Nasci num lar muito humilde, tudo nos faltava, passei muita fome, muitas vezes vi choro de dor da minha mãe por não ter o que nos dar de alimento. Vivi assim até os quatorze anos, nunca me conformei, queria ter uma vida diferente, queria poder ter prazer de me alimentar, sentia muita fome.
Um dia tomei uma decisão, achei que eu não precisava passar por aquilo tudo e naqueles dias fui amadurecendo uma ideia que me surgia como solução, depois de muito pensar decidi que tudo mudaria a partir daquele dia. Esperei que anoitecesse e me deitei como de costume no quarto com mais cinco irmãos tão sofridos quanto eu, tão famintos e tão carentes do básico, quando o silêncio reinava e percebi que meus pais dormiam e meus irmãos também, sai de casa levando comigo além da roupa do corpo e de um chinelinho velho no pé, mais uma muda de roupa.
 Morava numa pequena cidade, que prefiro não citar o nome, fui para a beira da estrada que passava próxima a minha casa. Pedi carona e um caminhoneiro parou o caminhão me levando com ele. Aquele homem quis indagar de mim onde eu pretendia ir e quantos anos eu tinha. Menti nas duas respostas, disse que já tinha mais de dezoito anos e que precisava visitar a minha vó que se encontrava doente. Não foi difícil de fazer que ele acreditasse, eu era alta e o sofrimento pelo qual vivia me amadureceu as maneiras, por isso ele acreditou, eu acho, se não acreditou me levou assim mesmo.  
Chegando à cidade grande comecei dar o meu jeito e como já estava tudo bem planejado descobri com bastante facilidade onde eu precisava chegar. Chequei naquela casa nutrindo esperanças de uma vida melhor, a mulher me acolheu e logo eu já estava trabalhando. Ali permaneci por um tempo, sendo muito explorada, trabalhava em troca de comida e era obrigada atender homens de todo jeito.  
 Com o passar do tempo consegui, num momento de invigilância daquela mulher, a sair dali e fui procurar outra casa. Desta vez eu já era uma moça muito bonita e a alimentação que eu agora recebia me fortaleceu. Fui aceita e lá minha vida começou a mudar, os clientes eram homens finos, cheiravam bem e confesso que gostava daquele lugar e daquela vida.
E assim fui levando, muitas vezes pensava no lar que abandonara, da minha família, na dor que minha mãe deveria sentir, mas logo me distraía como brilho da noite o torpor que o álcool me dava e com aqueles homens.   
Muitas vezes engravidei e cada vez que isso acontecia eu tinha um problema, a dona da casa se irritava muito e logo providenciava uma maneira de me livrar daquele problema, eu não hesitava e aceitava de bom grado a ajuda oferecida.
O tempo passou depressa e eu já não era mais aquela jovem linda, começaram a aparecer moças novas e em mim novas rugas, assim sendo eu era facilmente substituída e não tinha mais clientes.
Sofri muito, e sem piedade fiquei doente, fui tomada pela sífilis até morrer de forma miserável morando num cômodo fora da casa, um lugar insalubre e cheio de ratos.
Retornei a Pátria espiritual e hoje me encontro assim, uma figura horrível, deformada, corroída pela doença.
Vejo todos aqueles seres me xingando sem parar, eles não me perdoam de os ter abortado e sei que sofro porque  eu procurei, mas mesmo assim resolvi escrever essa carta para alertar muitas moças que como eu não tiveram a força de aguentar a vida que Deus determinou, trocando pela felicidade dos prazeres fáceis.
Ainda tenho esperanças mesmo com muita vergonha de que Deus me ampare um dia.

Joana da Luz.             
 
Psicografia recebida 2018.
             Médium:Débora S C.