domingo, 9 de agosto de 2015

 PAI  ABANDONADO

            O tempo passa ligeiro, ainda ontem eu era um rapaz cheio de vida e no auge das minhas forças, trabalhei, me apaixonei e constitui uma linda família, eram seis filhos; filhos esses que eu e minha companheira criamos dentro das leis de Deus, freqüentando sempre as missas, nunca nos descuidamos disso. Esses filhos tiveram uma infância feliz e com todo o conforto de que a minha situação permitia, sempre amados e amparados em todos as necessidades. Desses filhos, quatro se fizeram doutor e as minhas duas meninas lindas se casaram com homens de situação financeira privilegiada.
            Assim cada um tomou o seu rumo, cada um saiu do meu lar, ou do nosso lar para ganharem a vida, por essa época eu e minha companheira ainda não éramos tão velhos e fomos levando nossa vida de sempre, com a permanente visita dos filhos e netos, meu lar era florido. Como amei aquelas crianças, como minha companheira se deu aos netos e assim o tempo foi passando e começamos a envelhecer de fato, continuávamos como sempre na nossa vidinha, agora mais limitada pela idade, os netinhos cresceram e se tornaram homens e mulheres e por essa época as visitas eram cada vez mais esporádicas.  Os filhos não mais tinham tempo para nos visitar, tão preocupados em ganhar dinheiro, em ter fama, em ter cada vez mais e mais, e conseguiram, ficaram ricos com grandes aquisições financeiras.
            As visitas nessa época quase nula, eu e minha companheira telefonávamos, pedimos para que viessem em nossa casa, que nos dessem notícias e nos contassem sobre suas vidas, mas a resposta ara sempre que o tempo tava curto, que na próxima semana estariam conosco e assim passava meses sem que eles aparecessem para nos visitar, essa atitude deles era muito sofrida por minha companheira, ela sofria, sofria muitas vezes calada a ausência dos filhos.
            O tempo que não para nunca, passou mais um pouco e minha amada companheira foi acometida por um mal súbito e desencarnou, todos ficaram muito mobilizados com a morte da mãe e da avó, mas mobilização não passou das celebrações fúnebres. Acabado o funeral, cada um despediu-se de mim ali mesmo naquele cemitério, um se propôs a me levar para casa, voltei sozinho ao meu lar e  como seria minha vida daquele momento em diante? Como seria minha vida sem a doce companhia da companheira amada e de tantos anos de convívio? Entrei, orei a Jesus pedindo-lhe forças.
            Assim foi passando e cada vez eu ia envelhecendo mais e mais e os filhos queridos perceberam que eu não mais poderia continuar ali sozinho naquela casa, não tinha mais condições físicas de cuidar de mim mesmo. Uma tarde de inverno me lembro que fazia muito frio, meus filhos apareceram todos de uma só vez, pensei estar recebendo uma visita preparada por eles para me felicitar o coração, mas... qual foi minha surpresa? Me disseram que eu não poderia mais continuar vivendo ali naquela casa que foi meu lar durante tantos anos, no lar que passei os momentos mais felizes da minha vida, no lar que com sacrifício eu e minha companheira os criamos. Entendi afinal minha situação física não era boa, iria com qualquer um dos seis para a casa deles, bastava que decidissem, então querendo resolver logo a situação perguntei para a casa de qual deles eu iria, eles se entreolharam e um resolveu falar, falar o que eu nunca pensei ouvir em toda a minha vida, ele me disse:
          - Pai, todos nos trabalhamos e temos nossos compromissos, levar o senhor para a casa de qualquer um de nós é coisa impossível!
            Então Deus meu para onde me levariam? Talvez para a casa de algum neto? Não, a resposta veio clara e precisa: - Pai já arrumamos uma vaga pro senhor num asilo, mas não se preocupe não é um asilo comum, pagaremos muito caro para que o senhor tenha  o máximo de conforto, é um lar idosos com infra-estrutura para receber pessoas como o senhor, temos certeza que lá será muito bem tratado, sem contar que nos faremos visitas semanais, estaremos sempre juntos.  
            Fui para tal casa de idosos, realmente um lugar muito bem arrumado e com muitos profissionais para auxiliar-me no que fosse preciso. Era muito bem tratado. Semanas foram passando, depois meses, e até anos, nunca recebia visita de nenhum deles, pagavam as despesas, mais não faziam o que eu mais precisava, que era um pouco de amor  e de atenção.
            Passava horas imaginando o porquê de tanta ausência, muitas e muitas vezes pedi aos funcionários do lar para que ligassem para meus filhos dizendo que eu precisava deles, a resposta dos funcionários eram sempre as mesmas, “disseram que semana que vem estarão aqui” e de novo passava uma, duas, três, cinco, dez semanas e nada. Fui cada vez ficando sem esperança, sentia que o meu tempo já se esgotava, desisti enfim de procurar meus filhos, mas esquecê-los nunca, eles estavam sempre na minha memória e eu pensava:  - Deus o que fiz com esses filhos que criei com tanto amor, e que hoje me ignoram.
           Desencarnei, reencontrei minha companheira querida e fiquei sabendo que nem enterrar meu corpo eles foram, pagaram todas as contas da casa de idosos e se sentiram muito felizes por terem feito a sua parte a te o fim, dando ao pai o maior conforto possível. Será?
           Me pergunto, onde andavam quando eu precisava só da presença deles, só de um carinho, uma atenção, uma visita. Hoje daqui fico muito infeliz de ver o que foi preparado para o futuro de cada um. Peço a Deus que eles não passem por que passei, pelo sofrimento que me causaram, a muito já lhes perdoei e eles nunca se pediram perdão afinal fizeram a sua parte!!           
          Um espírito que sofreu na carne as dores do abandono, a tristeza de envelhecer sozinho, o desprezo dos filhos.
         Pensem nisso!!!!
         Muita paz.

         Psicografada na Reunião Mediúnica.
         Médium: Débora S C.

13 comentários:

  1. Muito triste a gente perceber que se torna um peso para os filhos...Tambem penso que quando nao conseguir dar conta de mim, nao quero ser esse peso ,de bom grado me preparei para ir para um bom lugar.... mais as visitas , o carinho de levar os netos para visitas isso os filhos tem obrigação de fazer.... podem se revezar e nao sera dificil pra nehum ... eu penso assim

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oremos a Jesus para que os filhos sejam iluminados por Jesus.

      Excluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. é emocionante e triste eu perdi o meu pai e ficou minha mãe e meu irmão mais velho quis botar ela num asilo mas meu amor era muito forte quando fiquei sabendo fui até ela e disse mãe vamos morar comigo ela morava em sc e eu no rs e levei mesmo doente pra minha casa e cuidei com muito carinho dela eu falei pra ela que tinha 11 filhos ai entendi que o ditado uma mãe cria 10 filhos e 1 filho não cria um pai mas eu cuidei dela até ela desncarnar e sei que eles estão olhando por nós aqui eu vejo sempre eles mas meus irmão não acreditam em mim por isso queria receber uma carta deles sinto saudades e queria que meus irmão acreditace
    em mim o nome deles era augusto strapazzolli e a mãe rosa strapazzolli só quiria isso pra mostrar pro meus irmãos que pare de rir de mim disendo que to mentindo e falam mal da minha relegião eu sou espirita e vejo muitos desencarnados obrigada eu amei essa carta uma boa noite irmã e irmãos paz e luz

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vamos aguardar a vontade de Jesus. e parabens pela sua missão cumprida.

      Excluir
  4. É uma estória muito triste e deprimente.
    Morei com meus pais até eles partirem , tive mais 3 irmãs, cada qual fez sua própria vida, sempre dando atenção para eles meus pais.Gostaria de ter notícias deles. Minha mãe faleceu 10/09/2010 Norma Luiza Pedroni Rossato e meu pai Alvino Rossato no dia 26/03/2015. Gostaria muito de ter notícias, mas sei que não é simples, pois a campainha toca de lá pra cá.

    ResponderExcluir
  5. Oi, boa noite. Se for da vontade de Deus e ele puder falar e vir e se for do meu merecimento, o senhor poderia tentar entrar em contato com Luís de Oliveira Gonçalves, ele nasceu no dia 17/06/45 e faleceu no dia 16/10/2014. Gostaria muito de saber por favor, se meu pai está bem. Meu e-mail é kllcris25@hotmail.com Desde já agradeço de coração. Ele infartou.

    ResponderExcluir
  6. Oi, boa noite. Se for da vontade de Deus e ele puder falar e vir e se for do meu merecimento, o senhor poderia tentar entrar em contato com Luís de Oliveira Gonçalves, ele nasceu no dia 17/06/45 e faleceu no dia 16/10/2014. Gostaria muito de saber por favor, se meu pai está bem. Meu e-mail é kllcris25@hotmail.com Desde já agradeço de coração. Ele infartou.

    ResponderExcluir
  7. Triste para os país..muita tristeza..só Deus amparando os idosos,principalmente em asilos..Acho q eles perdem a referência de vida,qdo são abandonados,num lugar totalmente estranho.

    ResponderExcluir
  8. Triste para os país..muita tristeza..só Deus amparando os idosos,principalmente em asilos..Acho q eles perdem a referência de vida,qdo são abandonados,num lugar totalmente estranho.

    ResponderExcluir
  9. Por favor coloque o nome do meu filho Maycon na mesa. Ele faleceu no dia 1 1 de agosto de 2012 em um acidente de carro. Mim sinto culpada por não ter dado mais conselhos. Ele só andava correndo. Faleceu com 24 anos. Deixou um filho, hoje com 4 anos. Ele era muito trabalhador. Tinha muitos planos para seu filho, já que seu pai não foi um bom pai. Pelo amor de Deus coloque os dados dele na mesa. Rezo todos os dias e todo sábado e todo dia 1 1 acendo uma vela. Mim ajude.

    ResponderExcluir