sexta-feira, 19 de maio de 2017


MONSENHOR ARREPENDIDO

Quanto arrependimento carrego, pudera voltar no tempo e eu faria tudo diferente.
Fui educado em escola de padres, era interno nessa escola, fui mandado para lá porque era costume das famílias católicas àquela época ter um filho padre. Eu fui escolhido, não sei porque, nunca perguntaram se era o que eu queria, meus outros dois irmãos estudaram na mesma escola, mas após cumprirem o tempo estabelecido eles voltaram pra casa e a cada um foi dado o direito de escolher que quisessem em suas vidas. E eu? Eu não, nunca pude ser quem eu verdadeiramente era. Sai da escola direto para o seminário e logo estava sendo ordenado Padre.
Meu Deus porque fizeram isso comigo, nunca tive vocação para essa missão que penso deva ser sagrada, mas aquilo nunca foi para mim.
Desde muito pequeno eu me sentia diferente, não gostava das brincadeiras com meus irmãos, preferia sempre a companhia das meninas. E era sempre repreendido por isso.
Sentia que eu não era um menino, sim eu era menino, mas só o meu corpo, minha alma era de uma menina, sentia-me estar em um corpo errado.
Como sentia inveja em ver minhas irmãs com aqueles vestidos rodados, com fitas no cabelo. Ficava observando a penteadeira da minha mãe, aqueles perfumes me fascinavam, o rouge, o baton, o pó de arroz...     
Talvez meus pais percebendo desde cedo essa minha tendência tenham me escolhido e por isso mandaram-me para aquele seminário. Quem sabe eu ali naquele meio não conseguiria virar e me sentir o rapazinho que todos esperavam que eu fosse, eu também tinha esperanças, mas não foi o que aconteceu. Lá o ambiente que deveria ser saudável estava longe disso, quando os seminaristas tinham uma folga ou quando os padres se distraiam eles se aproveitavam para rir e debochar de mim. Sofri muito naquele lugar e depois de tanto sofrer resolvi que eu mesmo com a alma feminina que a habitava meu corpo viraria homem. E assim fiz.
A partir daí, revoltado com uma vida que nunca foi minha, mudei e daquele que um dia ingressara no seminário tímido e cheio de medo não mais existia.
Assim que fui ordenado padre e designado a uma paróquia longínqua comecei a me vingar. Em vez de ser um servidor do Cristo, eu era uma cobra que usava das confissões dos fieis em benefícios próprios.
Passei por vários lugares, sempre carregando a maldade no coração. Fui subindo e até que um dia era o responsável por um enorme mosteiro, e foi ali naquele lugar que mais usei minha perversidade e maldade, fiz coisas que envergonhariam até o mais despudorado dos seres, o mais maléfico.Quanta maldade pratiquei!
Hoje a tantos séculos desse passado ainda trago a dor do arrependimento e do remorso. Sinto tanta vergonha de mim mesmo, preciso recuperar o que fiz de mal, preciso de ajuda, eu que morei tanto tempo dentro da casa de Deus nunca consegui ser o filho que Ele esperava que eu fosse.

Um Monsenhor arrependido.        
             
Psicografia recebida 2017.

             Médium:Débora S C.

Um comentário:

  1. O MAIS IMPORTANTEÉ A DESCOBERTA DO ERRO,ASSIM TEMOS O PRIMEIRO PASSO PARA O NOVO RECOMEÇO,QUE DEUS OPORTUNAMENTE NOS CONCEDE A CADA NOVO DIA.

    ResponderExcluir