sexta-feira, 16 de junho de 2017


O PÔR DO SOL AQUI É MARAVILHOSO


Como é linda  a natureza!  Sempre fui muito encantada com as flores, com o campo. Em minha infância eu ia muito para a roça e sempre admirava aquele trabalho rude dos homens, mulheres e animais.
Pois bem, vivi minha vida na cidade, envolvi-me com os afazeres da cidade, estudei um pouco, mas mesmo assim lembra-me sempre da roça.
O que aconteceu comigo, vou explicar: Sei que estou do lado oposto da vida, no mundo espiritual. Sei que já passei para cá. Uma doença grave me afetou. Lutei contra ela, mas ela foi a mais forte e morri.
O que encontro do lado de cá? Uma casa pequena, mas acolhedora, no meio de bosques, flores, pássaros e todos aqueles que eram meus amigos  e parentes da roça estão lá.
Me falaram que é só um estágio para eu me recompor daquela doença. Alguém sempre  vem, parece um cura, e me dá porções de chás para eu beber. Eu bebo e fico bem. Às vezes ainda sinto dores, mas não tão atrozes como eu sentia. Alguém sempre vem com um livro, talvez a bíblia, lê os fascículos para nós, porque sempre nos reunimos para nossa oração vespertina.
O pôr do sol aqui é maravilhoso e é um verdadeiro altar para rezarmos. Sei que tudo está bem, mas o que me acontece quando me recordo de acontecimentos tristes? Toda essa paisagem desaparece e volto a sentir aquela dor atroz que me acometia quando “viva”. Se me desespero é pior, mas tenho meus amigos que me ajudam.
Dizem-me: “Tens que te restabelecer para ires para um lugar onde possas ler, aprender e estudar, para mais tarde teres a graça de auxiliar os teus que ficaram encarnados.
Deus está sempre a teu lado não fraquejes. Vamos orar...” E aí oramos o Pai Nosso.
E tudo passa sempre.
Aqui é bom, mas sinto muitas saudades de todos aí, de meus netinhos, meus filhos. Mas como tudo passa... a saudade também passa.

 Dalva Silva Oliveira.

Psicografia recebida em 2017.                                     

            Médium: Catarina.

sábado, 10 de junho de 2017



AS PAZES COM DEUS

 Mãezinha e paizinho queridos pude vir até aqui hoje para falar da minha alegria.
 Estou muito feliz em ver como as coisas estão, ver como vocês estão se recuperando me deixa muito animado.
Como é bom ver que vocês estão conseguindo finalmente superar a dor da saudade, agora sim, sinto que é a saudade tranqüila, a saudade gostosa de sentir, sem desespero, sem cobrança.
 Me sinto feliz em ver que vocês fizeram as pazes com Deus.  
 Hoje já não sou mais aquela criança frágil que vocês carregavam nos braços e que depois mesmo já estando maiorzinho ainda era tão frágil. Cresci já sou quase um homem. É o tempo passou, eu cresci e sou feliz e serei sempre agradecido por tudo o que fizeram por mim, por toda ajuda e pela luta constante ao meu lado.
Obrigado por tudo o que vocês representam para mim. Pudessem hoje me ver e veriam como estou forte, aqui também o tempo passa...
Como estou feliz por vê-los melhor, ver o sorriso brotando espontaneamente nos lábios da minha mãe é coisa importante demais pra mim, a alegria da minha mãezinha é também a minha.
Agradeço muito a Deus por estar tendo essa oportunidade.
Que Jesus na Sua infinita misericórdia continue olhando por nós.
Eu serei sempre o filhinho agradecido a Ele por ter me dado pais amorosos como vocês.
Obrigado por terem compartilhado tantos momentos comigo. Meu amor e gratidão serão eternos.
Com carinho do filhinho que jamais os esquecerá.

Huguinho.    

             Psicografia recebida em 2017.                                     

             Médium:  Débora S C

sábado, 3 de junho de 2017


PRECE DE MÃE TEM PODER

Eu sou Luiz Carlos, e você quem é? Como isso é possível, estou aqui na espiritualidade morto e escrevo através de você (médium)? Como pude ser tão incrédulo, indiferente aos ensinamentos de Jesus e de Nosso Pai Deus.
Eu estou tão arrependido dos meus atos e da minha existência. Fui um homem tão ignorante, arrogante e cruel muitas das vezes com a minha família.        
Minha mãe uma doçura de mulher tão sóbria e com tão pouco conhecimento, sua fé fazia ela acreditar e confiar que um dia eu seria acolhido e teria enfim a misericórdia de Deus. E isso foi possível através de suas suplicas a Jesus, suas preces, orações eram intensas, com sentimentos puros e fraternos de uma mãe que sofre ao ver um filho perdido e graças a sua fé fui recuperado e resgatado por um anjo de luz incrível e magnífico.
Fui trazido para um lugar onde era tudo muito limpo e claro, fui colocado em um leito e com roupas limpas eu já me encontrava. Passei por uma noite tranqüila onde me refiz e pude ter forças para vê o que Deus tinha me dado, sendo que eu nada fiz para merecer.
Você deve está pensando o que Luiz fez para que sua mãe orasse tanto e pedia ao Senhor por misericórdia. Fui um drogado, bandido e entrei no crime ainda pequeno com 13 anos e fui ficando cada ano mais envolvido e até que um dia fui preso por um policial e fui em cana para o xilindró, xadrez, um lugar que eu digo com todas as palavras: terrível e sem vida. Somos tratados como bichos e sem respeito algum.
 Literalmente enlouqueci e não suportei aquele lugar e me matei. Isso mesmo fui um covarde, nunca pensei que fosse tão fraco e soberbo que não consegui conviver no mesmo lugar com pessoas igual a mim, depois fui levado para a lama, escuridão, gemidos e sofrimentos, sofri perseguição, pois tinha muitos na espiritualidade me esperando para o acerto de contas.
 Mas não entendo, eu não pedi a Deus por meu resgate, nunca rezei,orei ou fiz uma prece, nunca tive um ensinamento evangélico, não lia nada sobre a bíblia. Eu nem sabia ou não lembrava mais quem era Jesus ou Deus, como se não existisse esses “caras” na minha vida.
 Fui sim resgatado e não sei dizer quantos anos, décadas ou séculos fiquei no umbral, “inferno”, na lama.
Bem, aí está um pouco da minha historia enfim, quero deixar o meu agradecimento a minha mãe por ter implorado a Deus por mim, e hoje já um pouco esclarecido eu ainda não tenho tamanha fé, mas já consegui orar a oração que Jesus nos ensinou: “Pai Nosso...”.
Mãe, querida mamãe sei que a senhora sofreu muito e muitas noites sem dormir pensando em mim, desculpa e obrigado mais uma vez por não ter esquecido de mim.
Vivo precariamente, tenho ainda que recuperar as minhas forças, mas tenho certeza que conseguirei um dia ter fé neste Homem que é só amor e caridade. Perdão Jesus.        

Luiz Carlos Figueiredo.


 Psicografia recebida em 2017.

             Médium: M. Nicodemos.

sábado, 27 de maio de 2017


SOU  CARLINHOS  MODIFICADO

          Ei gente! Aqui tô lindo e maravilhoso. Sou eu mesmo o Carlinhos que está falando. Vivo bem, aliás, sempre vivi do jeito que eu quis, mas morri do jeito que não quis.
          A mamona é braba, eu sei disso, deixa a gente doidão, e eu fiquei doidão mesmo, quase nem senti aquele tiro.
          Veio de uma forma que eu custei a acreditar que eu tinha sido marcado. Bem marcado eu já tava.
          Minha cabeça do lado direito doeu muito e até sangrou muito. Tudo ficou muito esquisito.
          Cuida de mim! Eu gritei! Mas ninguém me ouviu. Fiquei deitado sozinho e todo mundo fugiu.
          Deram falta de mim, ou sei que alguém me viu. Eu ainda estava vivo, mas eu não sentia porque via meu corpo estirado.  Me levaram para um lugar esquisito, lá eu fiquei sozinho, desamparado.
          Vi que alguma pessoa se aproximava. Calcou minhas mãos e meus pés. Olhou meus olhos e falou: está morto!
          Mas eu estava vivo. Como sofri, porque apesar de estar naquele estado horrível abriram minha cabeça e retiram a bala, para examinar eu acho.
          Levaram-me embora e eu dormi, acho que anestesiado.
          Fui parar em um lugar muito bom, mas que eu não gostava. Muito quieto, eu gosto mesmo é de bagunça. A erva me fazia falta, mas ninguém lá usava. Eu tremia, mas ninguém se importou. Deram-me caldos e remédios, cuidaram da ferida e eu fiquei lá bastante tempo.
          Depois fui levado a um outro lugar, bem sossegado também (e eu não gostava disso), mas aceitei como não havia de não aceitar se eu não mais decidia nada por mim, os outros é que decidiam. Fiquei e estou lá até hoje.
          Agora fui convidado a comparecer aqui, porque querem saber de mim.
          Ora, eu ainda estou em recuperação, mais calmo, mas ainda continuo muito desassossegado, e sempre querendo alguma coisa que não está a meu alcance. Volto para dentro de mim e sinto um vazio danado... Onde estão todos os conhecidos, onde está quem sempre cobrava de mim algo que eu não podia dar? Hoje se eles viessem eu acho que eu poderia compreender ao menos um pouquinho e fazer o que eles queriam de mim.
            Já não sou o mesmo. Sou Carlinhos modificado.

           Carlos Alberto Pacheco
            Eu ainda tremo por falta da droga, alguém escreve esta carta por mim.
            Carlinhos.
             
                    
          Psicografia recebida em 2017.                                  

          Médium: Catarina.

sexta-feira, 19 de maio de 2017


MONSENHOR ARREPENDIDO

Quanto arrependimento carrego, pudera voltar no tempo e eu faria tudo diferente.
Fui educado em escola de padres, era interno nessa escola, fui mandado para lá porque era costume das famílias católicas àquela época ter um filho padre. Eu fui escolhido, não sei porque, nunca perguntaram se era o que eu queria, meus outros dois irmãos estudaram na mesma escola, mas após cumprirem o tempo estabelecido eles voltaram pra casa e a cada um foi dado o direito de escolher que quisessem em suas vidas. E eu? Eu não, nunca pude ser quem eu verdadeiramente era. Sai da escola direto para o seminário e logo estava sendo ordenado Padre.
Meu Deus porque fizeram isso comigo, nunca tive vocação para essa missão que penso deva ser sagrada, mas aquilo nunca foi para mim.
Desde muito pequeno eu me sentia diferente, não gostava das brincadeiras com meus irmãos, preferia sempre a companhia das meninas. E era sempre repreendido por isso.
Sentia que eu não era um menino, sim eu era menino, mas só o meu corpo, minha alma era de uma menina, sentia-me estar em um corpo errado.
Como sentia inveja em ver minhas irmãs com aqueles vestidos rodados, com fitas no cabelo. Ficava observando a penteadeira da minha mãe, aqueles perfumes me fascinavam, o rouge, o baton, o pó de arroz...     
Talvez meus pais percebendo desde cedo essa minha tendência tenham me escolhido e por isso mandaram-me para aquele seminário. Quem sabe eu ali naquele meio não conseguiria virar e me sentir o rapazinho que todos esperavam que eu fosse, eu também tinha esperanças, mas não foi o que aconteceu. Lá o ambiente que deveria ser saudável estava longe disso, quando os seminaristas tinham uma folga ou quando os padres se distraiam eles se aproveitavam para rir e debochar de mim. Sofri muito naquele lugar e depois de tanto sofrer resolvi que eu mesmo com a alma feminina que a habitava meu corpo viraria homem. E assim fiz.
A partir daí, revoltado com uma vida que nunca foi minha, mudei e daquele que um dia ingressara no seminário tímido e cheio de medo não mais existia.
Assim que fui ordenado padre e designado a uma paróquia longínqua comecei a me vingar. Em vez de ser um servidor do Cristo, eu era uma cobra que usava das confissões dos fieis em benefícios próprios.
Passei por vários lugares, sempre carregando a maldade no coração. Fui subindo e até que um dia era o responsável por um enorme mosteiro, e foi ali naquele lugar que mais usei minha perversidade e maldade, fiz coisas que envergonhariam até o mais despudorado dos seres, o mais maléfico.Quanta maldade pratiquei!
Hoje a tantos séculos desse passado ainda trago a dor do arrependimento e do remorso. Sinto tanta vergonha de mim mesmo, preciso recuperar o que fiz de mal, preciso de ajuda, eu que morei tanto tempo dentro da casa de Deus nunca consegui ser o filho que Ele esperava que eu fosse.

Um Monsenhor arrependido.        
             
Psicografia recebida 2017.

             Médium:Débora S C.

sábado, 13 de maio de 2017

MÃE  NA TERRA  E NO CÉU

          Essa sensação de paz, de harmonia eu a busquei por toda a minha vida. Tive uma existência atribulada pelos problemas físicos e mentais que me perseguiam. Fui jovem, mas não gozei das alegrias da mocidade. Fui adulto, mas não tive a felicidade de ter um lar só meu.
          Nasci paraplégico, não sei por que razão. Cresci sem saber direito por quais caminhos percorri. Médicos, médicos e médicos. Tive uma mãe maravilhosa, presente e carinhosa, mas um pai que só sabia me reprimir, odiar e pôr em minha mãe a responsabilidade de eu ser assim.
          Tive outros irmãos e que devo agradecer. Eles vieram depois de mim e achavam comum eu ser assim.
          Não pude estudar devido as minhas condições. Minha mãe sempre cantava para mim, mas eu não tinha capacidade de interpretar o que ela cantava e nem mesmo sabia perceber a beleza de seu canto.
          Ela procurava me ajudar, mas a sociedade da época não tolerava pessoas como eu, e se chegava alguém ela me escondia.
          Eu dormia em um quartinho de fundos e ela sempre estava atenta ao meu lado.
          Percebi a falta de meu pai e só depois soube que ele nos deixara por minha causa.
          Aconteceu uma coisa que eu não sei bem o que era.
          Fui para um lugar que hoje acredito ser um hospital. De lá fui levado para um lugar muito bom, onde eu sentia que estava no ar.
          Não sentia dores no corpo, principalmente nas pernas que tanto me atormentaram durante toda a minha vida.
          Não demorou muito eu vi a meu lado minha mãe a cantarolar.
          Mas eu percebia o som de sua musica e esse som vibrava em mim e me animava.
       Tive vontade de levantar, de andar e minha mãe me deu as mãos, me sustentou e me levantou: e eu andei...
           A partir daí, nós, eu e minha mãe estamos sempre juntos. Moramos em lugar muito simples, mas lindo e acolhedor. Eu aprendo com ela as letras de suas músicas escrevendo-as. Eu que nem sequer sabia soletrar...
          Aqui é muito bom. Estou me preparando para entrar em um Educandário que recebe pessoas como eu, que resgataram parte do seu passado com uma existência complicada como a minha. Com doenças do corpo e do espírito, mas que com essa encarnação parados em uma cadeira de rodas ou em uma cama evoluíram seu espírito.
          Agradeço à Deus por tudo isso, agradeço aqueles que foram meus familiares e até mesmo a meu pai que me rejeitou, mas foi responsável pelo meu corpo físico, colaborando com minha existência no plano físico.
          Quero também expressar minha gratidão e esse grupo que se reúne para nos dar a oportunidade de nos expressarmos através da escrita.

         Obrigado.
         Toninho.    
                     
          Psicografia recebida em 2017.                                   
          Médium: Catarina.

sábado, 6 de maio de 2017


SEREI UM GRANDE PASTOR

Meus amigos como é bom estar aqui na espiritualidade, com toda essa luz  e acompanhado de tantos amigos dispostos a me auxiliar no entendimento da escritura sagrada. Sou um homem que fui criado e vivi minha vida toda na educação evangélica, e hoje vejo o porquê de tanto tempo na escuridão.
Como pude fazer tantas coisas erradas por não saber compreender os ensinamentos de Jesus, a Sua bondade, Seu viver era de um esplendor encantador. Como não fui sábio o suficiente para entender a escritura, a bíblia com o cuidado que Jesus usou para deixar para todos nós o Seu ensinamento do perdão, da caridade e do recomeço de seguir sem muito para carregar, sem se preocupar em templos para orar. Qualquer lugar se pode orar à Deus.
Fui tolo, cruel com os meus fiéis, mas eu..., não, não posso culpar os meus pais, eu poderia ter questionado e lutado mais para mudar a visão deles. O evangelho é tão claro e simples, questionamos muito e colocamos muitos empecilhos e dificuldades, mas quando vejo que Jesus não precisava de nada, me sinto envergonhado.
 Fiquei muito tempo na escuridão do esquecimento, pois o egoísmo e o orgulho me fizeram ficar por muitos e muitos anos na ignorância e hoje vejo que poderia ter sido tão diferente e simples. Mas os meus amigos espirituais me disseram que muita coisa já mudou e que a luz do esclarecimento e a união de religiões tem sido de grande valia para esclarecer e apagar o preconceito e as crendices.   
Dou graças à Deus que tudo tenha melhorado, pois não quero carregar comigo sentimentos de culpa e angustias dos meus fiéis. Fui cobrado e perseguido por muitos, pois eles acreditavam em mim e confiavam em meus sermões, e fui totalmente culpado pela ignorância de todos que aqui chegaram.
Fui um homem responsável pela evangelização de uma comunidade, e fui severamente cobrado, tinha em minhas mãos o dever de esclarecer, caminhar, facilitar e aproximar os meus irmãos à Deus e eu o que fiz? Infelizmente não fui caridoso, eu simplesmente cobrava e colocava os meus fiéis em dificuldades e perdi grande chance de levar a palavra até eles.
Eu agradeço ao Pai por ter me dado outra chance, vou estudar, vou vivenciar o evangelho, sentir e ter o discernimento para com os meus.
Não sei quando vou regressar, mas serei um grande pastor e vou atrás de minhas ovelhas com amor, caridade e perdão.
Fiquem todos com Jesus. Amém.

Luiz Francisco Tedesco.  
  
 Psicografia recebida em 2017.

             Médium: M. Nicodemos.

sábado, 29 de abril de 2017

A ILUSÃO DO PODER DO TRÁFICO

Eu nunca quis desembarcar neste planeta, nunca quis renascer, principalmente na família em que nasci.
Porque esse Deus, que todos dizem misericordioso, me faz nascer num lugar insalubre, com uma mãe solteira, drogada e prostituta, que Ele ganha com isso? Será que é para me castigar, para rir de mim?
 Passei uma infância triste, onde a fome foi minha companheira, o frio cortava minha carne nas tristes noites de inverno e a solidão nunca me abandonou.
Que inveja eu sentia das pessoas que tinham uma vida normal, era nessas horas que eu tinha mais rancor deste DEUS que todos adoravam.
 Aos dez anos decidi sair de casa, afinal ficar nela ou não era a mesma coisa, acabou quer fiz um favor a ela. Nas ruas, apesar de tudo era bem melhor que aquele casebre em que vivia. Nas ruas aprendi a roubar, a traficar, passei a ter muito mais que tinha lá no morro.
Nas ruas tornei-me um dos soldados do tráfico, fui recrutado por um homem que me levou para uma comunidade para proteger o império do chefe do morro. Confiaram a mim uma arma e um rádio, aquilo me fez sentir grande, a partir daquele dia dediquei-me ao trabalho do chefe e com isso matei muitos rivais, acertei contas e apaguei muito polícia.
De neguinho mimado do morro dos prazeres, do esfomeado de ontem, tornei-me um dos gerentes e braço direito do patrão do Nova Brasília.  Passei a ser um homem implacável, fiz de tudo que pode se imaginar. Fiz algo que pra uns seria impensado, busquei aquela nega que um dia chamei de mãe e ali no morro tive o prazer de estrangulá-la, foi a forma que tive para revidar tudo o que ela nunca me deu.
Com a alucinação do poder que achava que tinha, drogava-me cada dia mais, e mais atrocidade eu fazia. Meu nome era conhecido em todo Rio de Janeiro, era caçado por toda polícia.
 Um dia, durante o sono na casa de uma das minhas inúmeras amantes que tinha no morro, uma operação policial tomou a casa em que estava e mesmo tendo me rendido, fui brutalmente assassinando por um policial tão rude quanto eu. Pulei sobre ele, mas não o atingi. Vi ali meu corpo caindo todo crivado de tiros e vi uma horda (bando malfazejo) de desafetos que riam de mim e furiosamente caíram sobre mim.
 Fui refém desta horda por um tempo que não sei precisar, fui seviciado de todas as formas possíveis e os dias e noites nunca tinham fim.
Hoje não sei como, num atino de lucidez, uma mão retirou-me daquela cela imunda e por uns momentos não sinto as dores das constantes surras que levo.
Sei que não posso pedir nada, mas se tivesse a chance de ter feito diferente, tenho certeza que aquele caminho de ilusões eu nunca teria seguido, preferiria a fome e os frio do humilde barraco do que a ilusão do poder do tráfico.
Sou um ser desprezível. Um assassino.

Willian.              
  
            Psicografia recebida em  2017.                                     

            Médium: Luciano C.

sábado, 22 de abril de 2017

AS MARCAS DO ABORTO

 Boa noite! Irmãos em Cristo.
Hoje permitiu Jesus que eu viesse até vocês para contar-lhes a historia de um espírito inconseqüente e inescrupuloso, eu meus irmãos, eu sou esse espírito. Em um das minhas últimas encarnações fui profissional de saúde, mas não uma pessoa que presa-se pela vida, muito pelo contrário o meu negócio era ganhar dinheiro fazendo abortos.
Muitas mocinhas que se viam grávidas fora do casamento e se desesperavam imensamente, com isso vinham a minha procura e eu espírito sem o menor escrúpulo logo ia dando o preço e marcando a hora para realizar a ato nefasto. Não me importava com as historias delas nem perdia meu tempo em saber, o que me interessava era antes do procedimento receber o dinheiro combinado. Fazia o serviço e depois dispensava aquelas pobres criaturas infelizes que deixavam ali em uma lata de lixo o que seria no futuro um filho bem amado.
Criaturas essas não mais infelizes do que eu, eram moças sofridas e apavoradas, eu que já era uma mulher experiente que podia ajuda-lás, ao contrário ficava mais feliz com quantas me procurassem e me rendessem dinheiro, só pensei nisso, sem nenhuma vez pensar que ali estava um ser humano carregando o fruto de um amor ou de um deslize, mas que viriam ser espíritos vivos, todos aqueles tinham suas missões a cumprir.
Como errei! Meu Deus como me envergonho por isso, que mal eu fiz, que comprometimento imenso meu Deus com Suas leis de amor. Sofri muito até ter uma nova oportunidade de reencarnar e tentar pelo menos um pouco resgatar meus erros pretéritos.
Reencarnei numa família espírita, desde muito pequena tive oportunidades de ter contato com essa maravilhosa doutrina de amor. Me casei ainda jovem e cheia de sonhos, o maior deles era de ter minha casa florida pela presença de filhinhos queridos, filhinhos esses que jamais pude ter, sofri muita frustração por causa disso. Mas também não tive a generosidade de trazer para o meu lar um filhinho que não fosse saído das minhas entranhas, como eu poderia ter tido de Deus um presente vindo de outra mãe, mas o meu orgulho e o medo de criar um ser que não tivesse a minha genética não permitiram que eu fosse mãe adotiva. Quanto erro, quanta ilusão sofri até desencarnar sem ter tido uma única vez o carinho de um filho.
Era a justiça de Deus trabalhando meu espirito devedor, era a lei de causa e efeito que eu mais uma vez não consegui entender, não errei como antes, mas também não tive coragem de evoluir, continuei sofrendo as minhas frustrações caladas, fingindo que aquilo não me incomodava em nada, sempre dizia ao meu companheiro que era melhor assim, mas por dentro sempre morrendo de inveja quando via uma mulher carregando em seu ventre um filhinho amado, como eu sonhava em ser chamada de mãe.
Agora já de regresso a muitos anos no plano espiritual aprendi a domar minha maldade de uma existência e a inveja frustração de outra. Hoje aqui meu trabalho, que é minha alegria, é receber esses espíritos que bruscamente são arrancados dos ventres das mães, auxilia-los na revolta, na tristeza de não poder ter concluída a sua missão. Quantas mãezinhas não regressam junto com os espíritos que lhe seriam filhos que com a revolta acabavam trazendo suas genitoras junto com eles. Resgato, acalento e amo a cada um desses espíritos que como outros foram vítimas de abutres como eu fui um dia.  
Falta ainda muito para que eu alcance o perdão de mim mesma para minha alma devedora e destruidora das leis de Deus. Agora, no entanto vivo mais feliz cada vez que consigo que uma mãe desista de se livrar do seu filhinho. Ainda tenho muito que aprender, mas sei que a misericórdia divina me dará nova oportunidade e assim quem sabe eu mais fortalecida consiga ter um lar com filhos queridos do meu coração saídos de mim ou não. Que eu possa amar, amar de verdade, amor que vai me reerguer de tanta dor e erros.
Fiquem com Jesus, que a paz do Mestre envolva a vocês todos, felizes os que sabem amar de fato, amar de verdade.
            Uma mulher que errou, mas confia na bondade de Deus para se regenerar.
Isaura.     

             Psicografia recebida em 2017.                                     

             Médium:  Débora S C.

sábado, 15 de abril de 2017


ESPÍRITO TAMBÉM SOFRE

           Hoje estou em paz, mas nem sempre foi assim. Na época em que desencarnei eu não queria que aquilo me tivesse acontecido, mas acontece que eu estava num terrível sofrimento.
         A doença afetou todo meu corpo físico. Busquei de tudo, médicos, curandeiros, medicina alternativa e foi tudo em vão. A doença me roia por dentro e eu a cada dia estava enfraquecendo, até que chegou o dia.
          Meus familiares estavam também cansados de me levarem ao hospital e me buscarem sem nenhum recurso.
          E fui para a UTI – lá estavam me rodeando meus pais, já desencarnados, minha filha e algumas pessoas que eu desconhecia. Chamaram-me e eu fui. Dormi e quando acordei, ainda estava me sentindo fraco e enfermo, mas alguma coisa havia mudado, eu sentia-me leve. Um enfermeiro me atendia e meu corpo estava sendo curado devagar.
          Tudo ia bem até que um dia eu fiquei muito aflito. O que estava acontecendo? Alguém me chamava com grande aflição, era um filho meu que havia se embrenhado no caminho do erro e das drogas, que precisava de mim. Oh! Como sofri! Quem disse que espírito não sofre? Sofre sim.
           Mas graças à Deus fui acalmado pelos meus mentores e hoje sei que tudo já está bem.
           Peço a meus familiares que orem por mim, sobretudo que cuidem dos meus que aí ficaram.
           Hoje sei que já sou avô e que puseram meu nome em meu neto.

           Obrigado!

           Antonio Ferreira ou para alguns Ferreirinha.      
                                                                                      
          Psicografia recebida em 2017.                                     
          Médium: Catarina.

sábado, 8 de abril de 2017

FAMÍLA NOSSO MAIOR BEM

 Você acha que sua vida é difícil, tem dificuldades financeiras, de relacionamento no trabalho, enfim na vida, então você vive, você está vivendo e aprendendo com a dor. Mas as vezes você se pega sorrindo e se sente culpado, não posso sorri, a minha vida é sofrida, cruel, não tenho direito a felicidade. 
Eu vivi uma vida de sofrimento físico, mental e financeiro, pois somente eu tinha a consciência do meu sofrimento. Ouvia todos dizendo: Graças à Deus ela não entende nada, não vive lúcida para sofrer como nós. Mas eu não tinha como dizer a todos que eu sabia sim e sofria muito em ver todos na dificuldade, em choros, com fome e me cedendo o seu prato de comida e eu ali nem com fome estava, mas como dizer ao meu irmão que ele podia se alimentar.
Eu queria tanto ajudar a minha família, abraçar, dizer palavras de conforto, dizer que podiam contar comigo e que eu estava ali, mas não tinha condições para isso.
Eu me lembro que minha mãe chegou do trabalho cansada, destruída, faminta e ela ia ate mim e me dizia: Filha estou aqui, vou cuidar de você e me perdoe por não estar todo o tempo com você, mas tenho certeza que um dia estaremos juntas o dia inteiro, conversaremos e vamos brincar, suas refeições serão servidas na hora com sabores diversos e doces estarão na mesa para deixar você ainda mais feliz, me perdoe filha. Essas palavras me doíam no fundo do meu coração, como dizer a ela que eu tinha plena consciência do seu amor e do seu sacrifício por mim, que mesmo distante eu sentia o seu amor e as suas preocupações comigo.
Eu vivi até os meus 23 anos de idade e não teve um só dia em que me lembro que minha mãe não me pedia perdão. Desencarnei e foi muito triste. Eu sei da dificuldade que minha família vivia, da luta constante, e dos amigos que sempre ajudavam com os remédios e alimentos. Eu vi como eles me amavam e não queriam que morresse, não era nenhum sacrifício para eles, era amor e respeito que todos tinham por mim. Houve sim sofrimento de dor, de não querer que eu me fosse e que ficasse com eles, pois para eles eu era o bem maior de todos.
Eu pode ver que era amada e que não impedia ninguém de seguir a sua vida, não privei ninguém de seus ideais e sucesso, eles me queriam perto deles.
Eu fiquei feliz e sussurrei no ouvido de minha mãe, pois por um encanto não sei eu pude falar: Mãe você sim é o meu bem maior, eu te perdôo do fundo do meu coração e estarei a tua espera aqui no plano espiritual para viver aquele dia todo nosso.
Família sempre será o nosso bem maior.

Fernanda Guimarães.


            Psicografia recebida em  2017.

             Médium: M. Nicodemos

sábado, 1 de abril de 2017

OBRIGADO MÃEZINHA QUERIDA

 Tudo era escuridão, meu espírito equivocado sofria sem esperanças, sentia que nada pudesse se modificar. Sofria de dor, de fome, de frio, tudo naquele lugar era sombrio... Perdera eu toda a esperança. Fui socorrido! Me foi informado que um anjo me receberá por filho, que  eu teria nova chance, chorei emocionado.
Quem seria aquela pessoa que se prontificava a receber nos braços uma pessoa como eu? Qual foi a minha surpresa ao ver aquele rosto de mulher, aquele mesmo rosto que um dia eu vi chorar por minhas atitudes, era ela mesma, aquele amor do passado que eu tanto machucara com minhas atitudes equivocadas.
Sim, ela com a bondade de sempre, olhou em meus olhos, sorriu e disse: Venha meu amado, eu te receberei e te amarei com toda a minha força, será o filho amado que dependerá dos meus cuidados e que me retribuirá o amor que te darei. Cada passo que você der, cada momento que passarmos juntos vamos poder reparar tantas coisas que ficaram pendentes em passado remoto. Mesmo sabendo que nosso tempo juntos vai ser curto e que dores sem fim tomarão conta desses dias, eu ainda assim serei feliz em poder estar contigo a te guiar os passos.
Assim fui informado do meu retorno ao planeta, mais uma vez era Deus me dando oportunidades junto aquele ser tão amado.
Fui recebido naquele lar com muito amor, tudo foi preparado para a minha chegada. Minha mãezinha era só felicidades, o paizinho apostava naquele ser frágil todas as aspirações para um futuro feliz.
Nasci saudável, um belo menino, forte e cheio de saúde. Assim vivi até aos três anos com saúde e cercado de todo carinho. Passados os primeiros três anos comecei a adoecer para desespero da família. Fui então diagnosticado com câncer. Quanta dor sentiram todos com a notícia. Tudo foi feito, tive toda a assistência médica, todo o carinho, enfim tudo foi feito para que eu me recuperasse... Mas como já estava nos propósitos de Deus, minha existência seria curta e dolorosa. Foram dois anos de tratamentos, idas e vindas, hora em casa, hora no hospital e eu definhava aos poucos. Era preciso! Ali estava Deus me dando oportunidade de reparar erros passados. E ela ali, aquela mesma a quem eu tanto fizera sofrer no passado, sofrendo junto a mim, sofrendo com minha dor.
Até que aquele sofrimento chegou ao fim e eu retornei, deixando em minha mãezinha um vazio, uma dor, uma enorme tristeza.
Hoje aqui estou para agradecer ao anjo bom, a companheira sofrida de outrora, a mãezinha dedicada e amorosa do presente, por mais uma vez ter sofrido por mim, por mais uma vez ter ajudado a reparar um pouco os equívocos do passado.
Peço a Jesus que a abençoe e que ela seja muito feliz com esse novo filhinho que ela carrega no ventre. Dessa vez ela irá receber um espírito bom, terá como filho um grande afeto do passado e que irá dar a ela todo o carinho, todo amor que ela merece e que será para ela o amparo na velhice.
Jesus abençoe essa criança que está para chegar ao meu antigo lar, que esse espírito possa cumprir o que foi prometido e fazer minha mãezinha muito feliz, que a chegada dele consiga alegrar seu coração.
Obrigado mãezinha querida!
Seja feliz! Meu irmãozinho seja bem vindo e faça a felicidade voltar ao nosso lar.

Arthur. 

             Psicografia recebida em 2017.                                     

             Médium:  Débora S C

sábado, 25 de março de 2017


O INVENTÁRIO E O FILHO BASTARDO

            Já havia dez dias de meu desencarne quando eu me dei por mim.
            Aconteceu tão sereno e tranqüilo que eu nem esperava por isso.
            Graças a Deus tudo ficou ajeitado para os meus familiares. O inventário começou a ser feito e eu estava presente. Tudo em ordem. Achei que nada mais ia me levar ao desassossego. Mas tive uma surpresa imensa.
            Alguém que eu havia prejudicado em vida, não porque eu quis, mas por incapacidade minha, veio até meus familiares cobrar o que lhe era de direito.
            A surpresa foi grande porque ninguém sabia daquele caso de minha mocidade.
            Um filho bastardo apareceu. Aí começou minha tortura porque todos começaram a me culpar e eu recebia esses pensamentos como uma carga imensa sobre meu espírito ainda debilitado.
            Foi aí que, graças à Deus, pareceu um anjo de bondade e me tirou do reduto doméstico e me trouxe para um cômodo em hospital (que eu acredito ser um hospital) e foi me dado um passe espiritual de descanso e eu dormi.
            Hoje pedem por mim. Eu agradeço, mas não se incomodem comigo. Deem ao rapaz o que lhe é de direito e deixem-me para que eu prossiga minha vida espiritual em paz.
            Não tenho revolta, mas prefiro assim. Quero progredir.
            Fiquem onde estão e ficarei onde estou.
            Preciso sim de suas preces.
         
            Jair de Paula.
                                                                       
 Psicografia recebida em 2017.                                     

 Médium: Catarina.

sábado, 18 de março de 2017

MUITO  BEM  NA  ESPIRITUALIDADE

O que dizer para todos vocês, que estou bem, que tudo aqui é bonito, que é iluminado, que temos paz o tempo todo, dizer o que me fala?
Não tenho o que dizer, eu aqui estou para um despertar, para um melhor entendimento e acreditar que é possível escrever e até mesmo falar através de uma pessoa capaz com dons, eu não consigo compreender muito tudo isso, mas vou relatar um pouco do que eu vivi e como vivo hoje.
Sou um jovem rapaz me chamo João Carlos e fui um lutador, sim, um lutador. Nasci com vários problemas de saúde, fui uma criança que precisava de cuidados constantes e de muita atenção, não sei até hoje o que é ficar sozinho, sempre tinha alguém comigo, sempre.
Nasci com insuficiência renal. E logo passei por uma cirurgia assim que nasci e depois tive várias paradas cardíacas que me deixou impossibilitado de falar e pouco ouvia, mas custaram na época detectar este problema de audição em mim. Com a paralisia em minhas mãos e pernas não conseguia pegar muitas coisas e andava com muita dificuldade e resolvi não mais andar, porém fiquei na cadeira de rodas.
Uma coisa eu tenho até orgulho de dizer, eu era muito inteligente, me comunicava com as pessoas com facilidades e fui para a escola e completei o ensino médio e só não fui para a faculdade porque Deus não quis, eu tinha total condição e sabedoria para isso.
Minhas mãos ainda são problemáticas, eu tenho dificuldade em escrever, e isto eu ainda carrego em mim, no meu espirito eu acho.
Eu faleci devido a todas as complicações que uma pessoa tem quando se é muito doente. Desde que nasci, foram muitos medicamentos, foram os rins, pâncreas, estômago e por aí vai.
Não sou uma pessoa infeliz, sou de bem com a vida, eu nasci assim e não conheci a saúde, o ficar bem não era o meu mundo. Houve muito sofrimento com minha morte, pois eu era uma pessoa fácil de lidar e não havia em mim lamentos, parecia que eu já sabia que passaria por isso e aceitei sem queixas.
            Bem, eu estou bem, estou sempre em companhia de uma linda senhora que ainda não me lembro, e logo eu sei que eu vou lembrar em que parte da minha vida que esteve comigo. Estou bem, muito bem, gosto de dizer isso, pois me sinto muito bem, é engraçado depois de “morto” me sinto bem.
             Deixo para vocês um abraço e estou aprendendo a me sentir bem e a compreender melhor tudo que eu vivi aí na vida terrena.
        Um grande e carinhoso abraço de um rapaz que está se sentindo muito bem na espiritualidade.
   
João Carlos S. Filho.

 Psicografia recebida em 2017.

             Médium: M. Nicodemos.

sábado, 11 de março de 2017


NO LODO DA CONSCIÊNCIA CULPADA

Hoje faz 10 anos terrestre em que cometi o maior erro de minha existência, assassinei minha esposa e tirei minha vida, tirei não, somente a interrompi, pois eu nunca consegui me matar.
Por não ter conhecimento de uma religião, por nunca ter buscado Deus, vivi uma vida vazia, era muito fraco perante as leis de Deus.
Não dei a minha família a atenção e o amor que mereciam, passei mais tempo na rua, nos bares e com outras mulheres, enfim fui um ser vazio e cheio de vícios.
Fruto de todos esses vícios, ao longo dos anos levei minha família ao estado de penúria, levei a dificuldade a eles e por vezes até a fome.
Um dia em uma das conversas de botequim, ouvi de outro “companheiro” de bebida, uma insinuação de que minha esposa me traia. Embalado pelo álcool e pelos impulsos do momento, enegreci ainda mais meu coração e conspirei em meu intimo a morte de minha companheira, sem ao menos averiguar tal informação.
Chegando em casa, alterado pelo álcool, de posse de uma faca, entrei em meu quarto, onde repousava minha companheira  e nossa pequena filha, e sem pestanejar desferi em seu peito um certeiro golpe, o qual atingiu de cheio seu coração e envolto em sombras não vi mais nada, desferi inúmeros  golpes de faca e só me lembro do rubro nas paredes e dos gritos de minha filha. E com a mesma destreza desferi certeiro golpe em meu peito, daí pra lá, como que atraído por poderoso imã fui dali retirado e atraído a um lugar estranho e cheio de tristeza. Não sei como, mas o golpe não me matara como eu imaginava e sim havia me levado a um estado de dor imensurável e insuportável. 
Com o tempo descobri que meu ato foi covarde e errado e que minha esposa foi duplamente vitima de mim, pois sofreu a penúria dos dias de privação e a minha irresponsabilidade, pois descobri que ela nada havia feito. Ela sempre foi uma mulher correta e trabalhadeira e essa informação fez-me ainda mais sofredor.
Minha filha hoje com 19 anos é uma jovem triste, e ainda mais sofrida, fruto dos meus sucessivos erros.
Hoje me foi permitido vir aqui narrar esse meu erro e pedir a Deus e a minha família o perdão pelos meus inúmeros erros e quem sabe um dia recomeçar minha caminhada que será muito longa.
Queria alertar a tantos que trilham esse caminho que trilhei que busquem algo real, busquem a ajuda de Deus e não deixem que o vício e as maledicências turvem vossos olhos e vossos corações para que não afundem no lodo da consciência culpada.  
          

 Ramiro A.

            Psicografia recebida em  2017.                                      

            Médium: Luciano C.

sábado, 4 de março de 2017


EM  BUSCA  DA  REENCARNAÇÃO

 Estou num estado de tristeza profunda, preciso de auxílio, preciso voltar, tenho que voltar. Aqui muitos querem como eu ganhar uma nova chance em um novo corpo de carne e não conseguem, outros no entanto lutam para não regressarem à Terra.
Minha situação não é boa, a muito espero que o casal que vai me receber ou que deveria me receber deem consentimento e me aceitem. Eles me querem quando estão despertos, sonham com um filho para lhes alegrar o lar. No entanto quando nos encontramos na hora do descanso físico deles, e eles me vêem me repudiam com tanta força que a gravidez da que precisa me receber não se concretiza.
Muitas pessoas acham que querem um filho com toda a força do coração, mas quando se deparam com o reencarnante e recordam o passado saem em disparada, apavorados se negam a ter como filho um desafeto tão grande do passado.
Seria tão bom se as pessoas pudessem entender que precisamos dessa chance, que quando estivermos juntos seremos para eles na maioria das vezes o mais dedicado dos filhos, aquele que os servirá de amparo na velhice. 
Porque isso é tão difícil? Preciso tanto voltar! Serei tão feliz junto à eles, seremos uma família feliz eu tenho certeza. Juntos novamente vamos reparar um passado de erros e desencontros. Não sabem eles que os filhos em geral são desafetos do passado e que uma vez unidos como pai, mãe e filho resolvem tantas pendências do passado?
Me aceitem eu lhes peço!
Vamos juntos consertar o que precisa ser consertado e criar laços profundos do mais sincero amor?
Orem por mim, preciso ser aceito. Tenho tanto para dar e tanto para receber deles. Pena que quando se aproximam de mim é só o passado de dor e mágoas que eles veem. 
Mas com tudo isso ainda tenho muitas esperanças de conseguir nascer naquele lar.
Aguardo ansiosamente por essa oportunidade.
Peço a ajuda de Jesus e dos espíritos amigos que possam convencê-los a me receber e é com essa esperança que sigo. Precisamos uns dos outros e sei que vamos conseguir em nome de Jesus esse reencontro.  

Dinho. Um espírito que busca a reencarnação.


             Psicografia recebida em 2017.                                     
             Médium:  Débora S C

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2017

O ANDARILHO

          Não posso me movimentar. Estou preso a alguma coisa que não sei o quê. Me ajudem.
          Minha voz já está se esgotando, o ar já me está faltando. Ninguém me ouvia.
          Foram estas sensações pavorosas que me acabrunhavam, que me afligiam e que me maltratavam.
          Dormi, não sei por quanto tempo, acordei em um campo com grama muito verde e bem tratada. O céu estava azul. Eu dormi ali? Não; não me lembro. Só sei que me senti muito bem, e senti também que uma coisa mudou em mim. Estava mais leve. Andava devagar, mas sem nenhuma dor, ou desconforto. Eu estava salvo. Mas quem me salvou? Quem me levou a esse lugar? Bastou que eu pensasse isso para ver ao pé de mim um viajante com alforje, chapéu e com sapatos muito fortes para caminhadas.
          Fiquei alegre quis andar até ele, mas ele se adiantou e disse: - Venha, vamos nos alojar, já chegamos.
          Fui, andamos um pouco e vimos casas, edifícios, escolas, parques, árvores... Entramos em um edifício onde tive que me identificar:
          -- Sou Paulo, morei em São Paulo e estou aqui, mas não sei onde estou.
Me disseram que eu já não morava mais em São Paulo, fui atingido por calhaus em uma avalanche que aconteceu na obra enquanto trabalhava. Meus amigos, colegas de trabalho estavam bem, minha família também, mas eu precisava me tratar e saber de minha atual situação.
          Eu não sou ignorante e perguntei: - Eu morri? Triste pergunta, pois me responderam que sim.
          Tive um choque, mas me contive. Pensei e respondi: - Então me ajudem, eu tenho que me acostumar. Quero saber tudo. O andarilho que me levou me disse que ia explicar direitinho, que eu podia estar sossegado, que tudo iria ser esclarecido.
          Hoje trabalho aqui mesmo. Vou de um lugar para outro fazendo o transporte de doentes em macas. Faço esse trabalho e estou bem. De vez em quando penso nos meus. Mas sei que tudo que Deus faz está certo e que certamente um dia eles estarão comigo também.
         Deixo aqui minha gratidão por tudo que fazem por mim, aqui onde estou os amigos e benfeitores; aí na Terra meus familiares, que sei que pensam em mim. Esqueci de dizer que era solteiro, mas que meus pais ainda moram em São Paulo.

         Paulo de Albuquerque. 

Psicografia recebida em 2017.                                     
            Médium: Catarina.

domingo, 29 de janeiro de 2017


TÃO  JOVEM  AINDA

Eu aceito, eu aceito, pois é a vontade de Deus e tenho que aceitar infelizmente.
Eu gostaria muito de ter sabedoria suficiente para melhor compreender a vontade de Deus. No momento me sentia traída e com raiva, não queria estar aqui, sem minha família, sem meus filhos, o meu trabalho que lutei e estudei tanto para conseguir. Por que tão cedo?
Eu me sentia tão jovem ainda e tinha tudo no controle e ia tudo bem, uma vida saudável, tranqüila e com plena capacidade de trabalho e pronta para novos desafios e tudo acaba assim num belo dia, não aceito e acho que não quero aceitar, é pura verdade.
Eu tinha uma rotina, acordava, tomava banho, colocava o café na mesa, acordava os meus filhos e depois íamos para o trabalho, outro para a escola e o outro para creche, e tudo corria bem como todos os dias. E de repente me sinto mal, uma dor na cabeça e sou levada de ambulância para uma unidade de emergência em estado crítico. Eu pensando como estou assim tão grave, eu tenho uma saúde excelente, o que está acontecendo comigo?
Fiquei por um bom tempo ouvindo os comentários, a lamentação do meu esposo, o choro de minha mãe e eu ali ouvindo não podendo dizer nada, quando de repente eu vi uma pessoa chegar dizendo: “chegou a hora, tenho que levar o corpo e preparar para o velório”, enlouqueci e comecei a gritar, implorar por socorro e fiquei desesperada. Como eu morri? Será que vou ver meu corpo sendo comido pelos bichos e vê-lo no caixão com aquelas flores que cheiram morte?
Eu não podia crê que Deus faria isso comigo, eu que sempre fui correta e trabalhadora, cuidadora do meu lar... Comecei a fazer uma avaliação completa de minha vida e pude ver como eu era prática, não ensinei meus filhos a serem religiosos, a procurar Deus para agradecer o dia, a comida e o lar. Não trazia  esses valores e num momento de morte e dor eu lembrei que precisava de uma ajuda que não era material e sim espiritual, uma ajuda de fé, e comecei a ficar pequena, pequenininha que quase sumi. Como eu posso pedir ajuda a um Deus que eu não fiz questão de conhecer? Será que Ele sabe quem eu sou?
Muitas dúvidas eu criei e foi aí que veio um anjo, que não é um anjo, me ajudou nos primeiros momentos e depois veio o esclarecimento, depois veio a necessidade do estudo para compreender melhor e agora estou aqui certa que Deus não esquece de um filho seu, mesmo que esse filho não faz questão de conhece-lo. Agora eu aceito o meu desencarne com calma e procuro orientação sempre que em encontro com dor e saudades dos meus.
Eu aprendi e quero levar pra todo sempre que precisamos sim de Deus e seus valores.
Um grande e caloroso abraço.

Maria Conceição Ribeiro.           
         
 Psicografia recebida em dezembro de 2016.
             Médium: M. Nicodemos.

domingo, 22 de janeiro de 2017


ÓDIO ME FEZ PERDER TUDO

Ainda ontem, eu era um homem feliz realizado, tinha uma família linda, era amado e muito amava meus familiares, tinha um emprego, enfim era feliz.
Disse que era feliz, pois que num determinado dia, todo meu castelo se desmoronou.
Dois homens, ou duas feras, cruzaram o caminho de minha família e mudou meu destino.
Aqueles homens por instinto animal e encharcados de droga invadiram minha casa, roubaram o que eu tinha de material e principalmente levaram os meus tesouros vivos, minha esposa e meus dois filhos, e ferindo-me mortalmente, ali deixaram-me no meu antigo lar.
Depois de um tempo que não sei determinar, dei conta que não mais pertencia ao meu mundo, eu havia morrido e comigo minha família.
Não tive tempo de pensar em nada o ódio cegou-me e com que impulsionado por uma flecha fui de encontro aqueles dois homens e com a sanha de um leão ferido, atirei-me sobre eles.  Não sei por quanto tempo com eles lutei e com ajuda de alguns ‘justiceiros” passei a obsediá-los  dia e noite, principalmente à noite. Fiz deles dois farrapos e os incitei-os ao suicídio, ao qual foi consumado, e daí sim os escravizei por anos a fio.
Passara-se o tempo e certo dia cansei daquilo e foi só aí que lembrei de minha família, o motivo maior de tudo aquilo. Não os achei e enlouqueci e desesperei.
Vaguei por todo canto a buscar e nunca os achei.
Um dia uma “luz”, um ser mostrou-me o que me tornei, não acreditei no que estava vendo, eu me transformara num misto de lobo/homem, um ser sujo e maltrapilho.
Cai na real, descobri que fui cego pelo ódio e por isso tudo perdi pela segunda vez.
Chorei e cai de joelhos e depois de muito tempo lembrei de Jesus e de Deus e entrei num torpor que me desacordou.
Muito tempo se passou, muito sofrimento, muita culpa... Finalmente aceitei.
HojeHoje euHhmHoje em tratamento descobri que pelo ódio joguei tudo fora. Perdi minha família, perdi o tempo e estacionei no caminho.
Um dia espero que todos eles me perdoem, que eu possa encontrar os meus que tanto amei e que eu também encontre a paz.

Júlio Santiago.

            Psicografia recebida em dezembro de  2016.                                     

            Médium: Luciano C.

domingo, 15 de janeiro de 2017

FUI UMA MÁQUINA DE GANHAR DINHEIRO

 Não faço parte de nenhuma lista de pedidos, não tenho a meu favor sequer uma prece, estou só e ninguém mais se interessa por mim.
 Vou contar-lhe um pouco da minha vida. Nasci numa família pobre, meu pai era agricultor e minha mãe dona de casa que mal assinava o nome. Fui criado em meio de muita pobreza, mas a nobreza dos meus pais era igualmente grande, eram apesar de muito humildes pessoas de enorme valor moral, carinhosos, não fosse a pobreza extrema diria que nada me faltou, vivia feliz junto com meus irmãos e eu era o mais velho.
Quando me tornei adolescente tive a oportunidade de mudar para a cidade e assim comecei meus estudos, já era alfabetizado e o patrão do meu pai me vendo inteligente e perspicaz me ofereceu abrigo em sua casa e custeou meus estudos, família que viria a ser a minha segunda, pois que todos eram de uma bondade e parecíamos nos conhecer de outras existências.
Aproveitei ao máximo as oportunidades que me ofereceram e logo consegui me formar, comecei a trabalhar e me casei com moça de boa família, mas dona de uma ambição sem limites. Antes que o meu primeiro filho nascesse, meus bondosos pais adotivos sofreram acidente e desencarnaram o casal e uma filha um pouco mais nova que eu. Senti muito, mas o que fazer? Era tocar adiante a vida agora sem o apoio deles.
Trabalhei constantemente e assim fui pela vida afora trabalhando e ganhando dinheiro. Fui pai de três filhos, que muito diferente de mim não queriam saber de nada a não ser gastar o dinheiro que para eles era coisa farta. Próximo aos sessenta anos desencarnei de maneira repentina, o que para minha mulher e meus filhos não foi nenhuma tristeza, já saíram dos funerais contabilizando o que ficaria para cada um, e não era pouco, consegui um patrimônio invejável.
O tempo passou e já à muitos anos me encontro aqui, meus pais e irmãos já regressaram, mas por serem melhores que eu estão num plano onde não tenho acesso, eles sim quando podem vem me ver e me trazer algum consolo. Os amigos que fiz em vida jamais se lembraram de mim, minha esposa e meus filhos também, estou aqui a tantos anos e nunca, nunca mesmo me foi dirigido por eles um pensamento de amor, nunca recebi uma prece que viesse deles para me confortar o coração doido de mágoas.Vivo porque não posso morrer, mas não sou feliz, vivo acabrunhado e sozinho.
Meus Deus por quanto tempo eu passarei por essa situação? Se me perguntarem se fui bom, eu diria que fui uma máquina de ganhar dinheiro que pode proporcionar aos meus todo o conforto, mas nunca estive presente, diferente de meus pais sem instrução, que eram o ponto de apoio de todos, o que eu fazia? Trabalhava, ganhava dinheiro, mas era um marido ausente, um pai relapso, achava que tudo podia ser resolvido com o dinheiro, que engano meu Deus, hoje vejo que nada trouxe e nada deixei de bom, deixei dinheiro que eles logo puseram a perder e com isso o vinculo deles comigo acabou junto com o dinheiro.
Espero um dia ser presente, amigo e não uma máquina de produzir bens materiais, quero ser outra pessoa.
Obrigado por me ouvir. Deus te proteja.

 Não direi meu nome porque isso não interessa mais, sou apenas um espírito que sofre com seus equívocos.

             Psicografia recebida em dezembro 2016.                                     

             Médium:  Débora S C

sábado, 7 de janeiro de 2017


EM DIREÇÃO A UMA ENCARNAÇÃO EXPIATORIA

         Dondoca fui, minha vida foi tranqüila cheia de mimos e pingentes. Fui filha amada, neta querida. Tinha tudo, nada me faltava. Mas o que eu fiz de minha vida? Embrenhei-me em más companhias, explorei meu corpo e fiz de mim um brinquedo nas mãos daqueles com quem convivi. Era tudo o que eu queria; ser amada, ser alvo do desejo alheio. E por fim embrenhei-me nas drogas.  
         Meus pais fizeram tudo por mim. Conselhos não adiantavam. Nada mais eu queria, já não ia mais para casa. Fui internada várias vezes em casas de recuperação. Mas qual o quê, nada adiantava. Era muito vago em minha mente a noção de responsabilidade. Achava que eu estava certa.
         Meu pai cobria as despesas que eu fazia, ou melhor, consertava o que eu destruía.
         Um dia, não sei precisar quando, embrenhei-me por um caminho de uma droga nova, de um efeito sedutor, conforme me falavam... E eis que esse caminho não teve volta, pois eu estava com overdose... E eu fui, fui e fui. Não mais voltei.
         Meu corpo jazia inerte, mas eu não. Eu contorcia de dores e desejava que alguém me despertasse. Mas nada. Ninguém me acudia. E foi nesse estado que fui parar em um lugar, que não sei onde, em que vários enfermos, ou melhor, drogados como eu dormiam. Eu via tudo, mas não coordenava meus atos, nem meu cérebro.
         Pessoas iam e vinham. Olhavam um e outro e eu estava ali também entre eles, mas sentia diferente. Meu corpo não possuía mais aquela pureza e beleza que tinha. Eu tinha fácies terrível. Contorcia os olhos, os lábios e mal podia beber o remédio que me ofereciam. Era terrível! Eu não era aquela pessoa tão horrível. Eu era linda. Como fiquei assim tão deprimente. Meu corpo cambaleava eu não me sustentava de pé.
          Deram-me um sedativo, creio eu, e eu dormi. Dormi muito. Quando acordei fui despertada por meu avô, que me sustentava a cabeça, fazia-me um cafuné como de costume e disse:
          _ Minha filha levante, mas levante para a vida, corra, ande, viva... Não destrua mais teu corpo. Vais nascer novamente, só que sua liberdade vai ser cortada, pois vais ser uma cadeirante. Teu corpo físico foi lesado, por isso tens que restituí-lo com uma vida de dores e expiações. Teus pais serão os mesmos, porém eles terão que rever os valores espirituais com teu renascimento. Procurarão uma religião que ainda não tens, e por tua causa, também irão se reformar. Valorizarão os bens espirituais, ajudarão ao próximo, ajudarão outros cadeirantes por tua causa.
         Levante minha filha e dê os últimos passos em direção a uma encarnação expiatória.
         Ficarei contigo e te ajudarei, Deus está conosco e nos ajudará.
         Que Deus nos ajude minha filha nessa parte tão difícil de nossas vidas, mas tenho certeza que venceremos.

         Um espírito presente à reunião auxiliado pelo amigo
          Walter Perroni.
                                                                              
 Psicografia recebida em 2016.                                     

 Médium: Catarina.