sábado, 1 de outubro de 2016


É POSSÍVEL  SER AMADA

“Se essa rua fosse minha, eu mandava, eu mandava ladrilhar com pedrinhas com pedrinhas de brilhante, só pra ver o meu amor passar...” Eu era tão pequena e vivia a cantarolar pelas ruas do lugarejo onde vivia, eu acreditava em príncipe encantado e sentia que viveria um grande amor, um amor de conto de fadas, com um final feliz e com a mesa farta e com os filhos e netos reunidos no almoço de domingo.
Cresci com essa intuição e já com idade boa pra casar, como dizia minha mãe: - Já está na idade de casar, eu digo boa, e pare de pensar que o príncipe vai chegar e vai ser o seu grande amor, tudo ilusão minha filha querida e sonhadora.
Mas eu acreditava que seria sim muito feliz e teria filhos lindos e amáveis, enfim tudo aconteceu tão rápido que casei com um homem que só vi um dia e no outro eu já estava casada, um escolhido pelo meu pai, um bom homem, de família boa e tem terras produtivas. Você vai ter aquela mesa farta que tanto fala, palavras de meu pai.
E assim foi o meu príncipe escolhido pelo meu pai, onde não havia nenhum encantamento, nenhum cavalo branco e nem um castelo. A minha realidade começou na noite de núpcias, fui violentada e como não podia falar nada, a violência foi cada dia mais cruel, fui maltratada e humilhada de todas as formas, mas eu não era uma pessoa que desejava mal e nem comentava nada com minha família. Todos achavam que eu realmente tinha encontrado o meu grande amor.
E fui vivendo conforme eu era imposta, fiquei grávida e achei que seria amada pelo filho que estava em meu ventre, e assim com seu amor o sofrimento seria mais doce e teria um bom motivo para viver, pois coloquei no mundo uma pessoa que me amaria e principalmente ia me proteger de todo mal.
Mas com o tempo meu filho foi crescendo e fui vendo que seu caráter era igual ao do pai, arrogante, cruel com os empregados e gostava de fazer os outros perderem tudo com sua ganância.
Eu fui desanimando com tudo e me entreguei a bebida, eu ia para o meu quarto e bebia e passei a viver um sonho de princesa e príncipes com castelos e cavalos brancos e livres, vivi nesta ilusão por muitos anos até que fui internada em um hospital de loucos e fiquei por longos anos.
 Me recuperei, trabalhei no hospital como voluntária e não mais voltei para casa. Um dia eu no jardim cuidando de um interno fui tocada por um homem educado, feliz e que queria conhecer o seu grande amor e nos conhecemos, nos amamos. E eu felizmente encontrei o meu grande amor, num momento onde eu já não mais acreditava que seria possível eu viver.
Hoje sei que é possível sim ser amada, respeitada e principalmente ser ouvida por um homem que não seja cruel.

Cecília da Cruz Avelar.
 
 Psicografia recebida em 2016.

             Médium: M. Nicodemos.

2 comentários:

  1. Que linda. Que Deus a abençoe e a nós todos.

    ResponderExcluir
  2. Que linda. Que Deus a abençoe e a nós todos.

    ResponderExcluir